Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Voltar Porto Alegre tem mais de 4 mil casos de dengue neste ano

Porto Alegre tem 4.423 casos confirmados de dengue em 2024 até o dia 11. Do total, 4.009 foram contraídos na cidade (autóctones), 310 são importados (infecção fora da cidade) e 104 têm local de infecção indeterminado. O total de ocorrências suspeitas notificadas à Equipe de Vigilância de Doenças Transmissíveis da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) alcança 27.200 no ano. Em 2023, no mesmo período, foram 6.686 notificações e 4.218 casos confirmados.

Os números são parciais e estão sujeitos à revisão. Até o momento, houve seis óbitos por dengue entre moradores de Porto Alegre: cinco do sexo feminino (três na faixa etária de 31 a 40 anos; um na faixa etária 50-60 anos; e um na faixa etária dos 70 aos 80 anos); e um do sexo masculino, faixa etária de 70 a 80 anos.

Os dados estão no boletim epidemiológico publicado nesta terça-feira (14), pela Diretoria de Vigilância em Saúde da SMS. O levantamento apresenta informações cumulativas até a semana epidemiológica 19 de 2024 (dados cumulativos, até 11 de maio).

A faixa etária dos 21 a 30 anos ainda mantém a maior proporção dos casos confirmados (16,9%), e a maioria dos pacientes são do sexo feminino (52,9%). Os principais sintomas relatados são febre (referida em 4.044 casos, ou 93,6%), seguido por cefaleia (dor de cabeça), em 3.620 casos, e mialgia (dor no corpo), em 3.575 casos confirmados.

Todos os bairros da cidade registraram casos de dengue neste ano, evidenciando a necessidade de manter e reforçar a atuação sobre os reservatórios de mosquitos em cada região. Lixo reciclável/seco e plantas expostos às chuvas e ao acúmulo de água, bem como os depósitos fixos, como ralos, caixas d’água não vedadas e piscinas não tratadas são os principais tipos de criadouros responsáveis pelos altos níveis de infestação de mosquitos em todas as regiões com casos de dengue na cidade. O Boletim Epidemiológico é uma publicação prevista no Plano de Contingência da Dengue, Zika e Chikungunya da SMS.

Em relação à infestação vetorial, nas semanas epidemiológicas 18 e 19, excepcionalmente, em decorrência da enchente que atinge Porto Alegre, com impacto em vários bairros monitorados em relação à infestação vetorial, a equipe de monitoramento das armadilhas está impossibilitada de executar suas visitas semanais aos imóveis que possuem dispositivos tipo MosquiTrap (armadilhas para monitoramento do Aedes aegypti). Por essa razão, os responsáveis pelos imóveis onde as armadilhas estão alojadas são orientados a desativá-las por tempo indeterminado. A desativação consiste apenas em virar o dispositivo, eliminando a água de seu interior. A partir da avaliação técnica que permita a retomada da rotina de monitoramento, as armadilhas serão reativadas.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Bom Dia Caiçara