Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Voltar Imagens mostram crianças nuas e mulheres entre detidos em estádio de Gaza

Um vídeo editado que circula nas redes sociais mostra o que seria homens palestinos, e pelo menos duas crianças, detidos e despojados pelas FDI (Forças de Defesa de Israel). As imagens foram registradas em um estádio ao norte de Gaza.

As imagens mostram, em um dos quadros, dois meninos de cueca, andando e segurando as duas mãos para cima, enquanto agentes os conduzem para o estádio. Em outro trecho, os meninos, nus, aparecem com as mãos na cabeça, em fila com outros homens e adolescentes.

O estádio onde as cenas acontecem é o Yarmouk, onde a ONG Euro-Mediterranean Human Rights Monitor disse ter recebido relatos de detenções. Centenas de homens e meninos palestinos foram detidos pelas forças israelenses nas últimas semanas. A FDI  disse que despiram os detidos para garantir que não transportavam explosivos.

Ao longo do vídeo, uma multidão de homens aparece apenas de cueca. Em alguns trechos, os detidos estão sentados no chão com as mãos amarradas nas costas, alguns vendados, e em fila única, enquanto os soldados os inspecionam.

Trechos também mostram mulheres e outras crianças detidas. Em um deles, três mulheres totalmente vestidas são vistas com os olhos vendados e as mãos amarradas nas costas, sentadas na grama em frente a uma trave de futebol, que sustenta uma bandeira de Israel.

Homens palestinos nus e vendados – com as mãos também amarradas nas costas – aparecem sentados ao lado das mulheres. Veículos militares e escavadeiras também aparecem.

O vídeo original foi publicado em 24 de dezembro no YouTube por Yosee Gamzoo Letova, fotógrafo e artista. O Monitor Euro-Mediterrânico dos Direitos Humanos, sem fins lucrativos, afirma ter recebido informações de que o exército israelense tem detido centenas de palestinos do bairro Sheikh Radwan, entre eles dezenas de mulheres.

“Homens palestinos, incluindo crianças de até 10 anos de idade e idosos com mais de 70 anos, foram forçados a tirar todas as roupas, exceto a roupa íntima, e a fazer fila de maneira humilhante diante das mulheres detidas no mesmo estádio. ”, disse a organização, que apela à comunidade internacional para que investigue as imagens.

Pelo menos 20.915 pessoas morreram em Gaza desde o início da guerra com Israel, em 7 de outubro, segundo o Ministério da Saúde controlado pelo Hamas. Outras cerca de 55 mil ficaram feridas.

Segundo Izzat Al-Rishq, membro do gabinete político do grupo, o Hamas não voltará às negociações com Israel “sem um fim abrangente da agressão”, .

“A liderança do Hamas quer o fim permanente das agressões e massacres contra o nosso povo. O nosso povo quer ver esta agressão completamente interrompida e não quer esperar por uma trégua temporária ou parcial durante um curto período, após o qual a agressão e o terrorismo podem continuar fatalmente”, lê-se na declaração de Al-Rishq.

Entretanto, Israel prometeu continuar o seu cerco – que incluiu bombardeamentos aéreos intensivos e uma invasão terrestre sustentada – até que o Hamas seja erradicado. Herzi Halevi, chefe do Estado-Maior das FDI, disse na terça-feira que a campanha continuaria por “mais muitos meses”.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde