Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Voltar Palestinos em Gaza usam trégua para vasculhar escombros de casas

Depois de sete semanas de bombardeios interrompidos em Gaza por uma trégua, Tahani al-Najjar aproveitou a calma neste sábado (25) para retornar às ruínas de sua casa, destruída por um ataque aéreo israelense que, segundo ela, matou sete membros de sua família e a forçou a se abrigar.

Mais de 24 horas após a pausa de quatro dias nos combates, milhares de residentes de Gaza fazem a mesma difícil viagem, saindo de abrigos comunitários e acampamentos improvisados, para descobrir o que aconteceu às suas casas.

“Onde vamos morar? Para onde iremos? Estamos tentando coletar pedaços de madeira para construir uma tenda para nos abrigar, mas sem sucesso. Não há nada para abrigar uma família”, disse Najjar, vasculhando os escombros e contorcendo-se na sua casa.

Najjar, uma mulher de 58 anos, mãe de cinco filhos, natural de Khan Younis, no sul do enclave, disse que os militares israelitas também destruíram a sua casa em dois conflitos anteriores, em 2008 e 2014.

Ela retirou várias xícaras milagrosamente intactas das ruínas, onde uma bicicleta e roupas empoeiradas estavam no meio dos escombros. “Vamos reconstruir novamente”, disse ela.

Para muitos dos 2,3 milhões de pessoas que vivem na pequena Faixa de Gaza, a pausa nos quase constantes ataques aéreos e de artilharia ofereceu uma primeira oportunidade para se movimentarem em segurança, fazerem um balanço da devastação e procurarem acesso à ajuda importada.

Nos mercados ao ar livre e nos depósitos de ajuda, milhares de pessoas faziam fila para receber parte da ajuda que começou a fluir para Gaza em maiores quantidades como parte da trégua.

Desde que os militantes do Hamas lançaram o seu ataque sem precedentes às cidades israelitas, em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas, a resposta de Israel tem sido a ofensiva mais sangrenta e destrutiva alguma vez visitada no enclave de Gaza, com 40 quilômetros de extensão.

Autoridades de saúde palestinas no território controlado pelo Hamas dizem que o bombardeio matou mais de 14 mil pessoas, 40% delas crianças, e destruiu áreas residenciais. Eles disseram que outros milhares de corpos podem permanecer sob os escombros, ainda sem registro no número oficial de mortos.

Vivendo em tendas

Os militares de Israel disseram no mês passado a todos os civis para deixarem o norte da faixa, onde os combates foram mais intensos, mas continuaram a bombardear o sul, para onde centenas de milhares de pessoas fugiram e onde ficava a casa de Najjar.

Afirmou que os civis não deveriam regressar ao norte durante a trégua e muitos dos que fugiram para o sul procuram agora informações daqueles que ficaram para trás.

Na colcha de retalhos de tendas improvisadas em frente ao Hospital Nasser, em Khan Younis, Mohammed Shbeir disse que estava desesperado para levar a sua família de volta para casa, no campo de refugiados de Al-Shati, no norte. Eles decidiram não fazê-lo depois de ouvirem rumores de que pessoas que tentavam fazer isso haviam sido alvejadas, o que a Reuters não pôde verificar.

“Não posso viver numa tenda como esta. Eu tinha uma casa e sentia-me confortável com os meus filhos”, disse ele, alimentando o seu filho com uma sopa macia de lentilhas porque não havia fórmula láctea disponível.

Entretanto, um bloqueio concomitante contribuiu para uma crise humanitária com pouca eletricidade para hospitais, água potável, combustível para ambulâncias ou alimentos e medicamentos.

Num mercado de rua em Khan Younis, onde tomates, limões, berinjelas, pimentos, cebolas e laranjas estavam em caixotes, Ayman Nofal disse que conseguiu comprar mais vegetais do que os que estavam disponíveis antes da trégua e que custam menos.

“Esperamos que a trégua continue e seja permanente, e não apenas quatro ou cinco dias. As pessoas não podem pagar o custo desta guerra”, disse ele.

No centro de uma agência da ONU em Khan Younis, as pessoas esperavam por gás de cozinha. Os suprimentos começaram a acabar há poucas semanas e muitas pessoas cozinhavam alimentos em fogueiras alimentadas por madeira recuperada de locais de bombas.

Mohammed Ghandour esperou cinco horas para encher o seu recipiente cilíndrico de metal, depois de se levantar de madrugada na escola onde ele e a sua família se abrigam e fazer a longa viagem até ao depósito, mas ainda era tarde demais.

“Agora vou para casa sem gasolina”, disse ele. No entanto, na passagem de Rafah com o Egito, puderam ser vistos caminhões no início do sábado andando lentamente através da fronteira e para Gaza, trazendo novos abastecimentos.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã