Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Voltar Argentina: Sindicato fala em greve geral, após decreto que pode cortar servidores

Após o presidente argentino Javier Milei assinar decreto para demitir funcionários públicos, o sindicato da categoria ameaça convocar uma greve geral já nesta quarta-feira (27). “Estamos perante um ataque sem precedente contra os trabalhadores. nesta quarta-feira (27), [teremos] uma mobilização em todo o país e caminhamos para uma greve geral”, afirmou Rodolfo Aguiar, secretário-geral da Associação dos Trabalhadores do Estado (ATE)  à rádio argentina AM 750.

Segundo Aguiar, a ATE vai se reunir com representantes do Congresso para se opor ao decreto. A medida ainda contempla uma fase de avaliações, pelos próximos 90 dias, em todas as estruturas do governo para definir quais cargos serão mantidos.

O protesto marcado para esta quarta reunirá sindicatos de outras categorias, que são contra as ações feitas pelo atual governo. O decreto assinado nessa terça (26) por Milei afeta cerca de 7 mil pessoas – funcionários públicos com menos de 1 ano de trabalho não serão renovados.

Há grupos que ficarão isentos da medida e continuarão em suas funções, como pessoas trans ou com deficiência. Também está isento quem “tenha prestado tarefas antes de 1 de janeiro de 2023 e tenha alterado a sua forma de contratação”.

O sindicato afirma que todos os trabalhadores “cumprem funções essenciais”. “Que ninguém espere que a associação vá aceitar até mesmo uma única demissão”, afirma Aguiar.

A categoria também diz que vai dialogar com o Congresso argentino para barrar essa e outras medidas similares. “Se alguém está atingindo a paz social é o próprio governo que decide deixar milhares de famílias na rua neste momento”, afirma o secretário-geral do sindicato.

É difícil encontrar precedentes na administração pública de um ataque de tamanha magnitude aos direitos trabalhistas.Rodolfo Aguiar, secretário-geral do sindicato.

Ameaças a militantes

Desde a semana passada, o governo de Milei tem pressionado contra os protestos. A ministra do Capital Humano, Sandra Pettovello, chegou a dizer que cortaria benefícios de quem participar de atos que bloqueiem vias.

Nas redes sociais, o presidente argentino publicou uma foto antes dos protestos na semana passada com uma foto que dizia “quem bloqueia, não recebe”. O Ministério da Segurança divulgou decreto que permite intervenção da polícia e a identificação de manifestantes por meio de câmeras de segurança e drone.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde