Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Voltar Tensão na América Latina: Guiana pede ajuda aos EUA e Venezuela se diz ameaçada

A Venezuela reagiu às declarações do presidente da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, que solicitou ajuda dos Estados Unidos para se defender das tentativas de Nicolás Maduro de anexar a região do Essequibo. Em comunicado, o governo venezuelano disse que a presença militar americana na área reivindicada representa uma “ameaça”.

“Agindo sob o mandato da transnacional americana ExxonMobil, a Guiana está abrindo a possibilidade de estabelecer bases militares de uma potência imperial, ameaçando a zona de paz delineada na região”, afirmou a Venezuela.

“Seguindo a doutrina da diplomacia bolivariana pela paz, pedimos à Guiana que abandone o comportamento errático, ameaçador, arriscado e siga o caminho do diálogo direto, como manda o Acordo de Genebra”. O acordo mencionado é o tratado de 1966, entre Venezuela e Reino Unido, que reabriu a questão da soberania sobre o Essequibo.

Além disso, a gestão Maduro classificou como “provocação” os exercícios militares que os Estados Unidos anunciaram na Guiana nesta quinta-feira (7).

“Esta infeliz provocação dos Estados Unidos em favor da ExxonMobil na Guiana é mais um passo na direção errada. Alertamos que não seremos desviados de nossas ações futuras para a recuperação do Essequibo”, disse Vladimir Padrino López, ministro do Poder Popular para a Defesa, no X, antigo Twitter.

Este é o primeiro movimento militar dos EUA na região desde o referendo sobre a anexação de Essequibo do último domingo (3), quando 95% dos venezuelanos votaram em favor da anexação. O presidente guianense tem feito uma série de afirmações sobre a defesa da região.

“Estamos nos preparando para o pior cenário, com os nossos aliados, para reforçar nossa posição em defender o Essequibo”, disse Irfan Ali.

Em pronunciamento o líder da Guiana disse ter acionado o Conselho de Segurança da ONU e tido conversas com EUA, Brasil e França, para obter garantias de defesa. Para ele, a Venezuela age fora da lei ao desrespeitar a Corte Internacional de Justiça (CIJ), que decidiu em favor da Guiana.

“Nossas Forças Armadas estão em alerta máximo. A Venezuela declarou-se fora da lei.”

Maduro mandou criar o Estado de Guiana Essequiba, nomeou o general Alexis Rodríguez Cabello como autoridade única do território e ordenou à estatal PDVSA que distribua licenças para exploração de petróleo na região. Um novo mapa do país, com a área anexada, também foi exibido por ele.

A Guiana, uma nação de 800 mil habitantes, busca agora apoio da comunidade internacional para manter a soberania sobre o território, que corresponde a 70% da superfície do país.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã