Terça-feira, 28 de maio de 2024

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Voltar Produção de carros no Brasil deve crescer 6,2% neste ano

10% é a alíquota inicial do imposto, já em vigor. (Foto: Reprodução)

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) atualizou as previsões de desempenho do setor de 4,7% para 6,2% em 2024. No quesito vendas, houve um leve ajuste para baixo na expectativa do ano, de 7% para 6,1%.

A expectativa para as exportações fica ainda menor após os dados finais de 2023. Os 407 mil veículos previstos para este ano representam agora um modesto crescimento de 0,7%, e não mais de 2% como a Anfavea aguardava um mês atrás.

A entidade considera na conta uma redução de 90 mil carros do mercado argentino, normalmente o principal destino dos veículos exportados pelo Brasil, mas que no ano passado já ficou atrás do México.

Em dezembro, a produção de veículos caiu 15,3% em dezembro sobre novembro, para cerca de 172 mil carros, comerciais leves, caminhões e ônibus. As vendas saltaram 16,9% na mesma comparação, para cerca de 249 mil unidades, segundo os dados da entidade.

Em todo 2023, a produção caiu 1,9% sobre 2022, para 2,325 milhões de unidades. Já as vendas somaram 2,309 milhões de veículos, alta de 9,7% sobre o ano anterior.

“A média diária (de vendas) em dezembro, de 12,4 mil unidades, é o melhor resultado mensal em quatro anos, puxado pelas locadoras, que emplacaram 75 mil veículos, 30 mil a mais que a média do ano, e pelas promoções dos eletrificados antes da volta do Imposto de Importação”, afirmou a Anfavea em apresentação.

Carros elétricos

As previsões da Anfavea para 2024 incluem ainda a expectativa de crescimento de 51% nas compras de carros eletrificados. Se o prognóstico for confirmado, 142 mil dos carros vendidos no Brasil, ou o equivalente a 6,2% do mercado, serão híbridos ou, em menor número, puramente elétricos.

Segundo Márcio de Lima Leite, presidente da Anfavea, a transição tecnológica dos automóveis está acontecendo com certa velocidade e deve continuar mesmo com a volta gradual da taxação, a partir deste mês, das importações de carros híbridos e elétricos. “Mesmo com a recomposição parcial da alíquota de importação, ainda é um mercado que desperta o interesse do consumidor”, disse Leite.

Ele lembrou que mais marcas vão lançar carros eletrificados neste ano. Fora isso, a chinesa Great Wall Motor (GWM) planeja iniciar em maio a produção de carros com a nova tecnologia na fábrica comprada da Mercedes-Benz em Iracemápolis, no interior de São Paulo.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Caiçara Confidencial