Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Voltar Presidente mexicano comemora resultado em referendo, invalidado por baixa participação

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, comemorou nesta segunda-feira (11) sua vitória “esmagadora” em um referendo sobre seu mandato, realizado no domingo (10), apesar da baixa participação na votação. O comparecimento de apenas 18% dos eleitores registrados — bem abaixo do limite de 40% para que o resultado se tornasse vinculante — invalida o resultado, mas serve como uma demonstração de força do presidente.

Quase 92% dos votantes apoiaram a permanência de López Obrador no cargo, o equivalente a mais de 15 milhões de mexicanos — a oposição boicotou a consulta desde o início. Após os resultados, López Obrador chamou a votação de “sucesso total”, mas voltou a criticar o que chamou de “boicote” do Instituto Nacional Eleitoral (INE).

“Consegui mais votos agora do que em 2006 e em 2012 [quando foi candidato, mas não se elegeu]. E mais do que [Ricardo] Anaya obteve na última eleição, quando teve 12,6 milhões de votos”, comemorou o presidente, em referência ao ex-candidato do conservador PAN (Partido de Ação Nacional) em 2018, na eleição em que ele finalmente saiu vencedor, com mais de 30 milhões de votos.

Nos últimos dias, AMLO, como López Obrador é conhecido, já vinha acusando o órgão eleitoral de tentar minar a votação. Nesta segunda, ele culpou o INE pela baixa participação.

” A atitude do INE é muito infeliz. Um paradoxo que aqueles que deveriam estar promovendo a democracia estejam agindo de forma não democrática”, disse.

AMLO decidiu ativar um instrumento de participação popular aprovado por lei no ano passado, por iniciativa de seu partido, o Morena (Movimento de Regeneração Nacional), com o objetivo de usar o resultado para fortalecer a imagem de um líder conectado com seu povo.

O referendo também alimentou especulações de que poderia abrir a porta para que o presidente estendesse os limites do mandato, limitado a um único período de seis anos. López Obrador, no entanto, negou repetidamente que pretenda se manter no poder.

“Estou muito feliz porque, apesar dos pesares, muitas pessoas saíram para votar. Vamos continuar com a transformação do nosso país”, enfatizou o presidente, rejeitando novamente a ideia de se perpetuar no poder. “Não vou muito longe, porque sou democrata e não sou a favor da reeleição.”

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Ucrânia teme queda de Mariupol e espera ofensiva russa no Leste do país
PIB da Ucrânia cairá 45%, Banco Mundial
Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã