Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Voltar Presidente da Câmara dos Deputados reclamou de agressões que ocorreram durante a sessão desta semana que promulgou a reforma tributária

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) condenou o comportamento agressivo de parlamentares durante a sessão que promulgou na quarta-feira (20) a reforma tributária. Criticou ainda o vice-presidente nacional do PT, deputado Washington Quaquá (RJ), que deu um tapa no rosto de Messias Donato (Republicanos-ES).

“Política é a arte de viver com contrários”, disse. “Não concordo com tudo que Lula defende”, disse em entrevista à Globonews. Para o presidente da Câmara, as imagens da discussão entre os dois parlamentares, assim como as vaias da oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva “depreciam a imagem do parlamento”.

“Ser de esquerda ou ser direita não representa aquilo ali não”, afirmou o presidente da Câmara, criticando os parlamentares que fazem “lacração nas redes sociais”.

Ele chegou a cobrar lideranças ao pedir que os partidos dos envolvidos tomem as medidas cabíveis e eles “não se projetam de novo” com relação a falta de decoro. Para o caso, Lira pediu o rigor necessário, pontuando que o ato ofuscou a promulgação da reforma, “que foi uma conquista muito grande do Parlamento”, disse.

Vice-presidente do PT, Quaquá agrediu Messias Donato dentro do plenário da Câmara. Quaquá foi tirar satisfação de deputados apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que cantavam “Lula/ladrão/ seu lugar é na prisão” para o chefe do Executivo.

Quaquá disse que faria uma representação contra o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) e o chamou de “viadinho”. Donato interveio, pegando no braço do petista. Quaquá então esbofeteou Donato na cara antes de ser afastado do adversário.

Outro lado

O deputado Messias Donato alegou que ele e seus aliados exerciam seu “papel como oposição ao governo” ao vaiar Lula, quando o petista Quaquá se aproximou deles e “começou a xingar com termos homofóbicos e agressivos”.

“Foi quando eu fui até ele e, com minha mão esquerda, encostei nele pedindo para não fazer aquilo e, então, recebi o tapa”, afirma, dizendo ter sido “covardemente agredido”.

Ele afirmou ainda que registrará boletim de ocorrência sobre o incidente. A equipe do parlamentar também prepara uma representação ao Conselho de Ética. A ideia é que o Republicanos protocolasse o documento ainda na quinta-feira (21), segundo a assessoria de Donato. Já o petista disse, em nota, que deu tapa em Donato depois de sofrer uma agressão.

De acordo com Quaquá, a “reação foi desencadeada por uma agressão anterior. O deputado proferia ofensas contra o presidente da República quando liguei a câmera do celular com a intenção de produzir prova para um processo. Foi quando fui empurrado e tive o braço segurado para evitar a filmagem. Nunca utilizo a violência como método, mas não tolero agressões verbais ou físicas da ultradireita e sempre reagirei para me defender. Bateu, levou”, afirmou em postagem eu suas redes sociais.

Grave

O presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Leur Lomanto Júnior (União-BA), classificou como “grave” o incidente envolvendo os dois parlamentares no plenário.

Apesar disso, observou que o colegiado ainda não recebeu nenhuma representação sobre o assunto. “O Conselho só age sobre provocação”, acrescentou Leur.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde