Terça-feira, 28 de maio de 2024

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Voltar Preços médios da gasolina e do etanol caem pela 4ª semana seguida nos postos brasileiros

Os preços médios da gasolina e do etanol caíram pela 4ª semana seguida nos postos de combustíveis do País. É o que mostram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), divulgados nessa sexta-feira (4). A pesquisa é referente à semana de 30 de julho a 5 de agosto.

A gasolina foi comercializada, em média, a R$ 5,52. O valor representa uma queda de 0,54% frente aos R$ 5,55 da semana anterior, segundo os dados da ANP. O preço máximo do combustível encontrado nos postos foi de R$ 7,30.

O preço médio do etanol, por sua vez, caiu para R$ 3,62 na última semana. O recuo foi de 1,63% em relação aos R$ 3,68 da semana anterior. O preço mais alto identificado pela ANP foi de R$ 6,73.

Já o litro do diesel voltou a subir após 25 semanas e foi encontrado nos postos, em média, a R$ 4,94. A alta foi de 0,41% frente aos R$ 4,92 da semana anterior. O valor mais caro encontrado pela agência na semana foi de R$ 7,19.

Redução

A Petrobras anunciou no dia 30 de junho uma nova redução no preço da gasolina para as distribuidoras. A medida passou a valer no dia seguinte.

O litro do combustível foi de R$ 2,65 para R$ 2,52, uma redução de aproximadamente R$ 0,14 o litro, ou 5,3%.

Até então, a última redução da gasolina havia sido anunciada pela Petrobras no dia 15 de junho. Já o último corte no custo do diesel aconteceu no dia 16 de maio.

Vale lembrar que os preços praticados pelos postos de combustíveis levam em conta, além dos impostos, o lucro das distribuidoras e de revendedoras.

No fim de junho, o governo federal também elevou tributos federais sobre gasolina e etanol. O aumento na tributação foi, na prática, de R$ 0,34 por litro para a gasolina e de R$ 0,22 por litro de etanol, segundo informações da Abicom.

ICMS

Passou a valer em 1º de junho a alteração no formato de cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre a gasolina nos estados brasileiros.

A mudança estabeleceu a cobrança do tributo estadual com uma alíquota fixa (em reais) de R$ 1,22 por litro. O valor é válido para todos os estados.

Desde então, o preço do combustível nos postos avançou de R$ 5,21, na semana de 28 de maio a 3 de junho, para os atuais R$ 5,52 – uma alta de 5,95%.

Mudança

No dia 16 de maio, a Petrobras anunciou uma mudança na sua política de preços. Desde então, a estatal não obedece mais à política de paridade internacional (PPI), que reajustava o preço dos combustíveis com base nas variações do dólar e da cotação do petróleo no exterior.

Agora, a empresa levará dois pontos como referência para a determinação dos seus preços:

* o custo alternativo do cliente, como valor a ser priorizado na precificação;

*o valor marginal para a Petrobras.

Limite

Nessa sexta, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse que a Petrobras informou estar “no limite do preço marginal” e que a petroleira deve reajustar os preços dos combustíveis no país em caso de oscilação para cima no mercado externo.

“Eles disseram, de forma explícita, que estavam no limite do preço marginal e que, se houvesse alguma oscilação para cima a partir de agora, que eles fariam o repasse ao preço dos combustíveis e seus derivados”, afirmou Silveira.

O ministro também negou que haja intervenção do governo na definição de políticas para a Petrobras.

“Não há intervenção na Petrobras e os diretores respondem no seu CPF pela política de preços, que não pode dar prejuízo aos investidores que acreditam na Petrobras, muito menos ao governo brasileiro, e ao povo brasileiro que são seus acionistas”, disse.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Caiçara Confidencial