Domingo, 22 de maio de 2022

Domingo, 22 de maio de 2022

Voltar Pesquisa inédita no Brasil busca novas variantes da covid

O Brasil é o próximo país a conduzir um estudo de abrangência nacional sobre o coronavírus dentro da plataforma criada pelo governo britânico para ajudar outros países a ampliar a capacidade de sequenciamento genômico do vírus, chamada de NVAP (New Variant Assessment Platform).

O estudo, realizado em parceria com a Rede Corona-Ômica do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações), será a maior iniciativa de vigilância genômica já conduzida no Brasil e deve identificar as variantes e subtipos que circulam nos 27 Estados brasileiros para ajudar a entender a transmissão do Sars-CoV-2 dentro do território nacional.

A pesquisa é financiada pela UKHSA (Agência Nacional de Segurança em Saúde do Reino Unido) e conta com o apoio de pesquisadores de diferentes universidades federais brasileiras e do Grupo Pardini, rede de medicina diagnóstica que vai disponibilizar os testes positivos coletados em mais de 6 mil laboratórios próprios e parceiros.

A meta da equipe é sequenciar o genoma completo do Sars-CoV-2 de cerca de 5 mil amostras do laboratório coletadas por mês, durante aproximadamente 6 meses.

O virologista e professor da UFMG, Renato Santana, é um dos coordenadores da pesquisa e explica a importância de ampliar a vigilância genômica no Brasil.

“A meta estipulada pela OMS é que países consigam sequenciar entre 5% a 10% dos casos positivos. Mas enquanto nações como Reino Unidos e Dinamarca chegaram a sequenciar quase 50% dos casos, nós não chegamos a 1%. Num país como o Brasil, com dimensões continentais, praticamente não se sequenciou o vírus”, afirma.

Além disso, Santana explica que a ampliação geográfica da coleta das amostrar darão ainda um panorama da covid-19 no interior do país.

“Os estudos conduzidos até agora focaram nos grandes centros urbanos, principalmente capitais, e só agora preencheremos a lacuna de outras cidades que antes foram negligenciadas.”

O objetivo é que o maior sequenciamento permita que pesquisadores avaliem novas variantes no território brasileiro, além de avaliar a taxa de transmissão.

“Se houver uma variante que escapa às vacinas que temos, por exemplo, mostraremos a importância das doses de reforço focadas nessas variantes. O estudo pode guiar políticas públicas para imunização e medidas de proteção.”

“A ideia é gerar informação de qualidade para que possamos apoiar medidas públicas de saúde”, complementa Danielle Zauli coordenadora de pesquisas e desenvolvimento do Grupo Pardini.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Polícia Federal apreende cocaína preta no aeroporto de Brasília
Turquia se opõe à entrada da Finlândia e Suécia na Otan
Deixe seu comentário

No Ar: Embalos & Loterias