Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Voltar Patrimônio de Donald Trump volta a atingir 3 bilhões de dólares após sua passagem pela presidência dos Estados Unidos

Após deixar o posto de presidente dos Estados Unidos, o empresário Donald Trump aumentou o próprio patrimônio em US$ 600 milhões, voltando a atingir o patamar de US$ 3 bilhões, de acordo com informações da lista de mais ricos do mundo da Forbes.

Segundo documento da revista dos EUA, a riqueza de Trump é proveniente do mercado imobiliário, principalmente na cidade de Nova York – local, por exemplo, onde fica localizada a Trump Tower, residência do empresário até 2019, quando se mudou para Palm Beach, na Flórida.

Para este ano, Trump ocupa a posição de número 1.012 na competição das maiores fortunas.

Este não é, porém, o maior valor que o patrimônio do ex-presidente americano já atingiu. Em 2016, por exemplo, ano da campanha à Casa Branca, Trump tinha riquezas avaliadas em US$ 4,5 bilhões. O momento recente com uma fortuna mais baixa – nominalmente – foi em 2020, com US$ 2,1 bilhões “em caixa”.

O republicano Donald Trump, hoje com 75 anos, é empresário há décadas, especialmente nos setores de mercado imobiliário e mídia, e assumiu a presidência dos Estados Unidos em 20 de janeiro de 2017, após dois mandatos do democrata Barack Obama. Quatro anos depois, em 20 de janeiro de 2021, foi sucedido por Joe Biden, que havia sido vice-presidente de Obama.

Depoimento

Ivanka Trump, filha de Donald Trump, depôs na última terça-feira (5) na comissão da Câmara dos Deputados que investiga a invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021 e tenta esclarecer qual o papel do ex-chefe de Estado no ocorrido.

A filha do ex-presidente, que foi assessora de seu pai enquanto ele esteve na Casa Branca, não foi intimada a comparecer, mas em janeiro foi convidada a a depor pela comissão, composto na maioria por democratas.

A comissão conduz seu trabalho em segredo, e o público não tem acesso aos depoimentos dados ao grupo.

Os deputados afirmavam ter provas que demonstravam que Ivanka tinha tentado convencer o pai a pedir que fosse suspensa a violência quando uma multidão de apoiadores do ex-presidente invadiram o Congresso para evitar que os congressistas certificassem a vitória do presidente Joe Biden.

Os deputados estão interessados em “qualquer conversa” que ela tenha testemunhado ou participado, especialmente um telefonema de Donald Trump na manhã de 6 de janeiro. Acredita-se que naquele dia ele tentou forçar o então vice-presidente Mike Pence a parar a contagem dos votos que validariam a vitória de Biden nas eleições de novembro de 2020.

A comissão já interrogou quase 800 testemunhas, incluindo Jared Kushner, marido de Ivanka que também foi assessor do ex-presidente, durante seis horas na semana passada por videoconferência. Seu testemunho foi “útil”, segundo a deputada democrata Elaine Luria, que faz parte da comissão.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Universidade Federal do Paraná afasta 25 alunos suspeitos de trote que deixou calouros queimados
Entenda a situação no Peru e os motivos que levaram à anulação do toque de recolher
Deixe seu comentário

No Ar: SHOW DA TARDE