Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Voltar Os aumentos nos preços das passagens aéreas e dos alimentos puxaram a ligeira aceleração da inflação oficial no País em novembro

Os aumentos nos preços das passagens aéreas e dos alimentos puxaram a ligeira aceleração da inflação oficial no País no mês passado. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de uma alta de 0,24% em outubro para 0,28% em novembro. O resultado, porém, foi o mais baixo para o mês desde 2018, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa acumulada de inflação em 12 meses arrefeceu para 4,68% em novembro, ou seja, dentro do intervalo da meta perseguida pelo Banco Central, de 3,25%, com tem teto de tolerância de 4,75%.

A inflação de novembro mostrou pressões sazonais, características dessa época do ano, mas foi contida de forma significativa pela queda no preço da gasolina, com contribuição também das promoções da Black Friday, explicou André Almeida, gerente do Sistema Nacional de Índices de Preços no IBGE.

A alta de 19,12% nas passagens aéreas – com impacto de 0,14 ponto porcentual, o equivalente à metade do IPCA do mês – foi parcialmente compensada pelo alívio advindo da queda de 1,69% no preço da gasolina – contribuição de -0,09 ponto porcentual.

Em novembro, três dos nove grupos de bens e serviços investigados no IPCA registraram deflação. O consumidor gastou menos com artigos de residência, vestuário e comunicação.

Houve recuos de preços relevantes nos perfumes, aparelho telefônico, equipamentos eletroeletrônicos e de informática, televisores e roupas. Segundo o IBGE, a apuração do IPCA do mês detectou promoções aplicadas por causa do período de campanha da Black Friday, ajudando a segurar o índice de novembro.

“Essas quedas podem estar relacionadas com promoções praticadas pré-Black Friday, durante a Black Friday e até pós-Black Friday”, disse Almeida. “A gente observou quedas nos preços de diversos produtos, desde perfumes, itens de higiene pessoal, aparelhos telefônicos, televisores, roupas.”

“O resultado de novembro foi bastante influenciado por essa queda na gasolina”, avaliou Almeida. “Lembrando que em 21 de outubro houve redução de 4,09% no preço da gasolina (pela Petrobras) para os distribuidores.”

Para Andréa Angelo, estrategista de inflação da gestora de recursos Warren Investimentos, “a leitura do IPCA de novembro continuou mostrando que a desaceleração da inflação continua em curso”. Não há nada a se preocupar”, disse em comentário, acrescentando que o dado é uma notícia positiva, “dado o momento do mercado de trabalho e o forte desempenho da atividade econômica”.

Copom

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, nessa quarta-feira (13), reduzir a taxa básica de juros, a taxa Selic, em 0,5 ponto percentual, de 12,25% ao ano para 11,75% ao ano. Este foi o quarto corte seguido na taxa básica de juros, que começou a recuar em agosto deste ano. A decisão foi unânime.

Em 11,75%, a taxa chegou ao menor nível desde o início de março de 2022 – quando estava em 10,75% ao ano.

O Copom é formado pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e por oito diretores da autarquia. Cabe ao comitê definir o patamar da Selic a cada 45 dias.

No comunicado divulgado após o encontro, o comitê voltou a sinalizar que poderá cortar novamente a Selic neste mesmo patamar – 0,5 ponto percentual – nos próximos encontros.

“Em se confirmando o cenário esperado, os membros do Comitê, unanimemente, anteveem redução de mesma magnitude nas próximas reuniões e avaliam que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário”.
A próxima reunião do grupo está marcada para os dias 30 e 31 de janeiro de 2024.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã