Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Voltar Oposição cobra imagens secretas do rolo em Roma

Seis meses depois do fato, a oposição voltou a cobrar as imagens de 14 de julho do aeroporto de Roma que documentam o barraco ocorrido entre brasileiros e o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Ele alegou à Polícia Federal que sua família foi vítima de agressão. Os acusados negam. Colega de Moraes, Dias Toffoli decretou “sigilo”. “Neste incidente tem muita coisa obscura, falta transparência. Cadê as imagens?”, cobrou ontem o deputado Bibo Nunes (PL-RS).

Gerando desconfiança
“Queremos a verdade. O que se tem a esconder nesse caso?”, diz Nunes, insistindo nas imagens enviadas pelas autoridades italianas.

Principal interessado
Já José Nelto (PP-GO) pondera que “a mentira só dura enquanto a verdade não chega” e que o ministro deveria incentivar a divulgação.

Verdade obrigatória
Para Nelto, “Se ele [Moraes] é o ofendido, precisa tornar tudo claro, tem obrigação de permitir a divulgação das imagens, sem falsear a verdade”.

Peritos mantidos de fora
O deputado pede a perícia reclamada pela APCF, associação de peritos federais, que lembrou em nota ser esse um trabalho especializado.

PSB quer Botelho em lugar de Cappelli na Justiça
Correndo o risco de ficar sem nada, confirmada a saída de Flávio Dino do Ministério da Justiça e Segurança Pública rumo ao STF, o PSB cisca nomes para manter o controle da pasta. Hoje, são remotas as chances de Ricardo Cappelli, secretário-executivo do MJ, assumir o ministério. É intensa a fritura do PT contra Cappelli, que vê ambição eleitoral no assessor. Como alternativa, o PSB prepara um nome de dentro do ministério, Augusto de Arruda Botelho, secretário nacional de Justiça.

Enche os olhos
Botelho foi estagiário de Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça de Lula. É crítico da Lava Jato e pró-descriminalização das drogas.

Ambição imperdoável
O PT não perdoa a chance de Cappelli se aventurar na disputa pelo Governo do DF ou até uma vaga como senador, também pelo DF.

Zebra
Além do PT e do PSB, corre por fora o nome de Ricardo Lewandowski. O ministro aposentado do STF até integrou comitiva de Lula para a COP28.

Remédio para baderna
O deputado Ricardo Salles (PL-SP) deu a receita para resolver baderna promovida na Alesp contra a aprovação da venda da Sabesp: “bala de borracha, cachorro e cassetete”. Diz que “resolve que é uma beleza”.

Paraná cresce
O Paraná foi o único estado do Sul do Brasil com salto positivo na produção industrial, 2,9%. O resultado foi celebrado pelo governador Ratinho Jr (PSD), “esse é o Estado de gente que trabalha!”.

CPI da baderna
A selvageria na sessão que aprovou a venda na Sabesp pode virar CPI. O estadual Guto Zacarias (União-SP) já coleta assinaturas, “A ALESP não abaixará a cabeça pra nenhum selvagem travestido de manifestante”

Notícia envelheceu rápido
Pagou mico a mídia hostil ao ex-presidente. Pouco antes do encontro registrado em vídeo, um jornalão tascou: “Bolsonaro chega à argentina para a posse de Milei, mas não sabe se encontrará novo presidente”.

Contribuinte agradece
Convidado para a posse de Javier Milei, eleito presidente da Argentina, o governador de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL), viaja a Buenos Aires sem dinheiro público: “Faço a viagem com recursos próprios”, disse.

Prates rifado
Um dos trunfos do governo para andar com a mutilação da Lei das Estatais, esquecida em gaveta do Senado, é a cabeça de Jean Paul Prates. O chefão da Petrobras deve ser alijado do cargo em 2024.

O lado de Dino
O deputado federal Delegado Palumbo (MDB-SP) não vê razoabilidade em Flávio Dino, que também é senador, assumir cadeira no STF. O deputado lembra que “políticos tem lado, não são imparciais”.

Soprou, caiu
Vai parar no Ministério Público a milionária árvore de Natal de Niterói, que foi ao chão após ventania. O deputado Carlos Jordy (PL-RJ) acionou a Justiça. Quer punição e ressarcimento dos cofres públicos.

Pensando bem…
…virou triângulo a relação bilateral com a Argentina.

PODER SEM PUDOR
Luva fina

O ex-advogado Roberto Bertholdo, ex-chefe de gabinete na época de José Borba (PR) da liderança do PMDB, passeava pelo Congresso, após resolver uma desavença com um ex-sócio, no início dos anos 2000, e não cansava de explicar a amigos e deputados a mão machucada: “Eu estava de luva para não machucar a mão, mas como ele resistiu e a coisa demorou muito, acho que escolhi uma luva muito fina…”

Com Rodrigo Vilela e Tiago Vasconcelos

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã