Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Voltar Natação paralímpica: Brasil garante seis pódios no Mundial, quatro com ouro

O Brasil alcançou nessa quarta-feira (2) a quarta posição no quadro de medalhas do Mundial de natação paralímpica em Manchester (Inglaterra), ao subir seis vezes ao pódio, quatro delas com medalhas de ouro. Foi o caso do mineiro Gabriel Araújo, o Gabrielzinho, que conquistou nesta quarta (2) o bicampeonato na prova dos 100 metros costas, classe S2 (limitação físico-motora) e ainda estabeleceu novo recorde das Américas – em vigor desde 2018 – e da competição ao completar a prova em 1min55s34. Gabrielzinho deixou para trás o chileno Alberto Abarza (2min06s42), que detinha a melhor marca do continente na prova, e pelo polonês Jacek Czech (2min07s04).

“É a prova mais difícil para mim. Mas a cada treino e competição, eu tenho aprendido mais. Era o único recorde das Américas que não era meu e cheguei com o objetivo de batê-lo. Agora, podem pesquisar recordes das Américas e todos, entre as provas que disputo, estarão com meu nome, Gabriel Araújo”, disse o nadador, de 21 anos, que faturou o primeiro ouro na prova na edição do ano passado, na Ilha da Madeira (Portugal).

A pernambucana Carol Santiago faturou seu terceiro ouro no Mundial na prova dos 50m livre classe S12 (baixa visão), também com direito a quebra de recorde. Ela venceu como tempo de 26s71, superando a ucraniana Anna Stetsenko (28s01), medalha de prata, e a italiana Alessia Berra (28s38), que ficou com o bronze. Nesta edição do Mundial, Carol já arrematou ouro em duas provas: nos 100m costas e borboleta.

Outro expoente, o paulista Samuel de Oliveira, de 17 anos, assegurou o topo do pódio com vitória nos 50m borboleta, classe S5 (comprometimento físico-motor), sua prova favorita, em 31s21, o novo recorde da competição e das Américas. Caçula da delegação brasileira no Mundial, Samuca superou os chineses Jincheng Guo, prata (31s53), e Weiyi Yuan, bronze (31s58). Foi a segunda medalha do paulista nesta edição: na segunda-feira (31), ele já conquistara o bronze nos 50m livre.

“É uma sensação única. Estou muito feliz. O esforço tem valido a pena. É uma prova muito difícil, porque qualquer erro pode tirar a medalha. Confesso que não fiz um tempo que imaginava. Foi melhor do que estava planejando. Consegui, também, graças ao acompanhamento psicológico que tenho feito”, revelou o atleta.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde