Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Voltar Mãe de brasileira desaparecida há 19 dias nos Estados Unidos desabafa sobre o caso

Os brasileiros Sofia Neiva e Bruno Cohen, que moram em Washington D.C., nos Estados Unidos, estão há mais de duas semanas em busca de notícias sobre a filha adolescente, Manuela Keller Cohen, de 17 anos, que saiu de casa no dia 20 de novembro e nunca mais voltou. Em quase 20 dias de angústia, longe da maioria dos familiares, eles contam com ajuda de uma rede de apoio formada por amigos na capital norte-americana.

“Estar longe dos nossos outros familiares, meu pai em Brasília, a família do bruno está lá também, é muito difícil. Eu sou filha única, então sou muito ligada aos meus pais, ver ele nessa mesma agonia a tantos quilômetros de distância, essa é a parte mais difícil. Claro não estamos dormindo nem comendo direito, corpo muito cansado, sem energia, exaustão mesmo, mas a preocupação de todos e a distância é o pior que há”, contou Sofia.

Ansiedade e depressão

Antes de desaparecer, a jovem estava em tratamento contra ansiedade e depressão. Após notarem comportamentos diferentes, os pais de Manuela descobriram o envolvimento dela com drogas, que teriam sido fornecidas por um rapaz de 21 anos que se envolveu romanticamente com ela.

Ela chegou a ser internada em uma clínica de reabilitação por dois meses, nos Estados Unidos, e estava comprometida com o tratamento. Mas, poucos meses depois, a jovem teve uma overdose de fentanil, opióide 50 vezes mais potente que a heroína que virou problema de saúde pública nos EUA.

“Dois meses depois que ela saiu dessa clínica, no início de março deste ano, ela teve uma overdose de fentanil. Foi levada para o hospital desacordada, e foi nessa ocasião que ela, com muito medo do que aconteceu, finalmente abriu o jogo da existência desse rapaz. Ela contou que foi ele quem tinha fornecido o comprimido de fentanil para ela”, afirma Sofia.

Em um último contato com a família, Manuela afirmou que estava em Baltimore, cidade a uma hora de Washington, “com alguns amigos”. A menina também teria dito que “precisava de um tempo pra ela”. Manuela não fez mais contato.

Após o desaparecimento de Manuela, os pais dela acessaram as mídias sociais e descobriram um suposto relacionamento com o homem de 21 anos. Segundo os familiares divulgaram, havia mensagens entre os dois nas redes sociais até o dia em que ela saiu de casa. A polícia norte-americana procurou o homem, mas ele afirmou não saber o paradeiro de Manuela.

Detetive particular

Após o registro da ocorrência no Departamento de Polícia de Washington, a família foi informada de que precisaria contratar um detetive particular para investigar o caso. Segundo Sofia, a “investigação paralela” foi uma indicação do Consulado do Brasil em Washington, que disse não poder interferir nas investigações policiais, mas que dariam assistência jurídica. Nos Estados Unidos, é comum que famílias de pessoas desaparecidas iniciem uma investigação por conta própria.

O casal de brasileiros também passou todas as informações que sabiam sobre o rapaz para a polícia, já que uma ocorrência policial foi aberta. Mas, tentando fazer o acompanhamento do caso, eles souberam que nada poderia ser feito pois o registro foi médico, e não criminal.

Entre a overdose e o desaparecimento, Sofia decidiu voltar ao Brasil, por orientação do psiquiatra que acompanhava Manuela, para que ela se afastasse do ciclo que conectou ela às drogas. Elas voltaram para Brasília, onde ficaram entre abril e setembro, período que a mãe afirma que ela estava comprometida com o tratamento. Mesmo assim, em julho, Sofia descobriu que o menino ainda tentava contato com Manuela.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã