Quarta-feira, 18 de maio de 2022

Quarta-feira, 18 de maio de 2022

Voltar Lula sugere incomodar deputados em casa e aliados de Bolsonaro falam em se armar

Uma fala de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante um evento da CUT (Central Única dos Trabalhadores) gerou forte repercussão entre deputados bolsonaristas – dois deles chegaram a insinuar que pegariam armas de fogo contra o petista e seus apoiadores.

O ex-presidente defendeu “mapear o endereço” de parlamentares e se dirigir a esses locais para “incomodar a tranquilidade deles”, pressionando-os com as demandas dos sindicalistas.

“Fazer ato público na frente do Congresso Nacional não move uma pestana de um deputado. Quando a gente está dentro do plenário, a gente não sabe se está chovendo lá fora, se está caindo canivete (…) Deputado tem casa. Eles moram em uma cidade, nessa cidade tem sindicalista (…) Se a gente mapeasse o endereço de cada deputado e fossem 50 pessoas até a casa dele, não é para xingar, mas para conversar com ele, conversar com a mulher dele, com o filho dele, incomodar a tranquilidade dele. Eu acho que surte muito mais efeito”, disse o petista.

A declaração desencadeou uma onda de publicações contrárias à sugestão de Lula nas redes sociais. O deputado Junio Amaral (PL-MG) publicou um vídeo empunhando um revólver e disse, ironicamente, que iria aguardar a “turma” do petista chegar em sua casa.

“Serão muito bem-vindos”, disse ele, enquanto carregava uma arma de fogo com munição. A deputada Carla Zambelli (PL-SP) afirmou que, em sua casa, vigora a “legítima defesa”.

Segundo ela, os militantes da esquerda “sempre foram muito violentos”, citando episódios em que grupos invadiram a Bolsa de Valores e igrejas. “Meu lar é inviolável, minha família é sagrada. Então, digo uma coisa para vocês: na minha casa tem pistola”, disse Carla Zambelli.

Ela completou, dirigindo-se à mãe, que aparece no fundo do vídeo: “Olha, mãe, se vier vagabundo aqui, a senhora está autorizada a pegar a pistola e meter chumbo”. A deputada prometeu denunciar o ex-presidente no Ministério Público por suposta incitação ao crime.

O deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) chamou de “criminosa” a declaração de Lula. Ele cobrou reação do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o episódio. “Também me questiono se, nesse caso, o ministro Alexandre de Moraes pedirá a prisão do ex-presidiário Lula por essa ameaça ao Parlamento”, afirmou.

As assessorias de Lula e de Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, não comentaram o caso. Segundo a equipe do ex-presidente, ainda não há definição se ele reagirá às declarações envolvendo armas de fogo.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Há dificuldade para conseguir um nome, diz o vice-presidente Hamilton Mourão sobre a presidência da Petrobras
Rússia bombardeia cidades-chave na Ucrânia e Ocidente prepara novas sanções
Deixe seu comentário

No Ar: Caiçara Confidencial