Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Voltar Lula fará jantar na sua residência com os ministros de seu governo nesta quinta

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reativará a Granja do Torto nesta quinta-feira (21), como cenário de suas atividades políticas. Ele fará uma confraternização com os ministros de seu governo no local às 20h.

Em sua primeira gestão, de 2003 a 2010, Lula costumava convidar aliados e amigos para discutir política e jogar futebol no Torto. Dessa vez, o compromisso será um jantar. O presidente, de 78 anos, operou uma artrose no fim de setembro. Durante a recuperação, publicou vídeo chutando uma bola e dizendo que logo estaria “perfeito para voltar a jogar bola”.

A Granja do Torto é uma instalação da Presidência da República e serve como residência oficial. O presidente e a primeira-dama, Janja Lula da Silva, visitaram o local na transição de governo para decidir se ficariam na casa até poderem se mudar para o Palácio da Alvorada. Eles acabaram passando o período todo em um hotel próximo à Esplanada dos ministérios até 6 de fevereiro, quando foram para o Alvorada.

A confraternização com ministros ocorrerá um dia após o chefe do Executivo realizar reunião ministerial para avaliar o trabalho da gestão em um ano.

História

A residência oficial dos presidentes da República é o Palácio da Alvorada, inaugurado em 1958, antes mesmo da inauguração de Brasília, todavia, a Residência Oficial do Torto já serviu de morada para alguns presidentes como João Goulart, João Baptista Figueiredo, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro.

Situada na ponta extrema da Asa Norte, às margens do Ribeirão do Torto (daí vem o nome do local), a Fazenda do Riacho Torto (como antigamente era conhecida) foi usada pela primeira vez por Íris Meinberg, diretor da NOVACAP (Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil).

Novacap, empresa responsável pelo planejamento e pela construção de Brasília, decidiu que sua diretoria (formada por quatro membros), deveria morar em quatro sítios, preparados para abastecer a nova capital do Brasil. Íris Meinberg era o diretor financeiro, e sua residência foi destinada ao fornecimento de galinhas e ovos – era, portanto, uma “granja”.

Outra versão narra que a Residência do Torto pertencia a João Goulart na ocasião do Golpe Militar em 1964. O nome seria devido a Adão Guedes, criado pela mãe de João Goulart, em São Borja, no Rio Grande do Sul, que era capataz da granja e que, por um acidente nas lidas do campo, teve um olho vazado por um arame farpado, passando a usar um olho de vidro.

Guedes teria ficado conhecido como “o Torto” em razão desse acidente, advindo, daí, o nome da granja. Tal versão é contada por Manoel Ribas Guedes (1927), de São Borja, amigo dos tempos de adolescência de João Goulart e conhecedor de muitos detalhes da família Goulart em São Borja.

Foi utilizada pelo Presidente Lula e a primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, durante a extensa reforma no Palácio da Alvorada. Também era na granja que Lula realizava as tradicionais Festas Juninas para membros do governo, funcionários e amigos.

Em 2020, passou a ser habitada pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, à convite do presidente Jair Bolsonaro.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde