Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Voltar Inflação anual nos Estados Unidos chega a 8,5%, a maior em 41 anos

A inflação nos Estados Unidos disparou no ano passado em seu ritmo mais rápido em mais de 40 anos, com os custos de alimentação, gasolina, moradia e outras necessidades afetando os consumidores norte-americanos e eliminando os aumentos salariais que muitos receberam.

Os preços nos EUA subiram 1,2% em março ante fevereiro, segundo dados com ajustes sazonais publicados nesta terça-feira (12), pelo Departamento do Trabalho. Na comparação anual, a inflação saltou 8,5% em março, o maior índice desde dezembro de 1981.

Os preços foram impulsionados por problemas na oferta de suprimentos, demanda robusta e interrupções nos mercados globais de alimentos e energia, agravados pela guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Os números de inflação de março foram os primeiros a capturar o aumento total dos preços da gasolina que se seguiu à invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro.

Os ataques de Moscou desencadearam sanções ocidentais de longo alcance contra a economia russa e interromperam os mercados globais de alimentos e energia. O preço médio de um galão de gasolina nos EUA – US$ 4,10 – subiu 43% na comparação anual, embora tenha caído nas últimas semanas.

As sucessivas altas dos preços da energia levaram a maiores custos de transporte para embarque de mercadorias e componentes em toda a economia, o que, por sua vez, contribuiu para preços mais altos para os consumidores.

Juros

A mais recente comprovação de alta dos preços fortalece as expectativas de que o Federal Reserve aumentará as taxas de juros agressivamente nos próximos meses para tentar desacelerar empréstimos e gastos e domar a inflação. Os mercados financeiros agora preveem aumentos de juros muito mais acentuados este ano do que as autoridades do Fed haviam sinalizado no mês passado.

Mesmo antes de a guerra da Rússia acelerar ainda mais os aumentos de preços, gastos maiores do consumidor, aumentos salariais constantes e escassez crônica de oferta levaram a inflação dos EUA ao seu nível mais alto em quatro décadas. Além disso, os custos de moradia, que representam cerca de um terço do índice de preços ao consumidor, aumentaram, uma tendência que parece improvável de reverter tão cedo.

Economistas apontam que, à medida que a economia emergiu das profundezas da pandemia, os consumidores vêm ampliando gradualmente seus gastos além dos bens para incluir mais serviços. Um resultado é que a alta inflação, que a princípio refletia principalmente uma escassez de bens – de carros e móveis a eletrônicos e equipamentos esportivos -, vem surgindo também em serviços, como viagens, assistência médica e entretenimento.

O esperado ritmo acelerado dos aumentos das taxas do Fed deve tornar os empréstimos mais caros para consumidores e empresas. As taxas de hipoteca, em particular, embora não diretamente influenciadas pelo Fed, dispararam nas últimas semanas, tornando a compra de casa mais cara. Muitos economistas dizem temer que o Fed esperou muito tempo para começar a aumentar as taxas e pode acabar agindo de forma tão agressiva a ponto de desencadear uma recessão.

Ameaça

Por enquanto, a economia como um todo permanece sólida, com o desemprego próximo aos mínimos de 50 anos e as vagas de emprego próximas de recordes. Ainda assim, a disparada da inflação, com seu impacto na vida cotidiana dos americanos, representa uma ameaça política para o presidente Joe Biden e seus aliados democratas, que buscam manter o controle do Congresso nas eleições de novembro.

Economistas expressam dúvidas de que mesmo os aumentos acentuados das taxas que são esperados do Fed conseguirão reduzir a inflação perto da meta anual de 2% do banco central até o final deste ano. Tilley, economista do Wilmington Trust, disse esperar que o consumidor a inflação ainda seria de 4,5% até o final de 2020. Antes da invasão da Ucrânia pela Rússia, ele havia previsto uma taxa muito menor de 3%.

A inflação, que estava amplamente sob controle havia quatro décadas, começou a acelerar na primavera passada, quando as economias dos EUA e do mundo se recuperaram com velocidade e força inesperadas da breve, mas devastadora recessão do coronavírus que começou na primavera de 2020.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Aberta investigação sobre ameaças de morte contra Lula
Aprovada, por unanimidade, cassação do mandato do deputado Arthur do Val
Deixe seu comentário

No Ar: Embalos & Loterias