Domingo, 22 de maio de 2022

Domingo, 22 de maio de 2022

Voltar Infecção sexualmente transmissível pode afetar os olhos; entenda o que é a conjuntivite gonocócica e como se proteger

A gonorreia é uma infecção sexualmente transmissível (IST) e pode atingir, além dos órgãos genitais, os olhos. Quando afeta os olhos, é responsável por causar a chamada conjuntivite gonocócica.

Esta conjuntivite especifica não é comum, tanto que o caso de uma jovem de 24 anos foi publicado nesta semana na revista “The New England Journal of Medicine (NEJM)”. O caso levanta o debate sobre a importância da prática do sexo seguro para evitar as consequências da ISTs.

A conjuntivite gonocócica pode ser dividida em duas formas distintas: uma que afeta recém-nascidos e outra que afeta os adultos.

Emerson Fernandes de Souza e Castro, oftalmologista do Hospital Sírio-Libanês, explica que a conjuntivite gonocócica não é igual aos outros tipos de conjuntivite. Além disso, o gonococo tem uma característica ruim para os olhos.

Segundo o oftalmologista, esse tipo de conjuntivite pode levar a cegueira se não tratada corretamente.

Como ocorre?

A transmissão é diferente em crianças e adultos.

Nos recém-nascidos, a transmissão ocorre na hora do parto vaginal. É a conjuntivite (oftalmia) neonatal. “A prevenção começa no pré-natal. Geralmente, mulheres com gonorreia são assintomáticas. Depois do nascimento por parto vaginal, o indicado é aplicar o colírio nos olhos do recém-nascido na primeira hora”, explica Emerson Castro.

Quais os sintomas?

O oftalmologista explica que a conjuntivite gonocócica tem algumas particularidades. “Não é apenas uma conjuntivite, é uma ceratoconjuntivite [inflamação que afeta a conjuntiva e a córnea]. A bactéria pode perfurar a córnea em 24 horas. É diferente, dolorida, agressiva e rápida”.

Além disso, outros sintomas são os olhos vermelhos, um inchaço fora do comum (quemose) e um edema na pálpebra.

Como tratar?

Assim como os sintomas e transmissão, o tratamento da conjuntivite gonocócica também é diferente. Não é possível cuidar apenas com colírio.

O especialista também alerta que, no caso da conjuntivite nos adultos, o parceiro ou a parceira também deve fazer o tratamento contra a gonorreia.

Além do uso de preservativos para evitar a conjuntivite gonocócica, também é importante manter alguns outros cuidados preventivos contra infecções oculares no geral. São eles:

– Sempre higienizar corretamente as mãos, uma vez que estas são um grande meio de transmissão;
– Não coçar os olhos;
– Não compartilhar toalhas, fronhas e outros produtos com alguém que esteja com quadro ativo de conjuntivite; e
– Caso seja de origem alérgica, identificar o alérgeno e evitar o contato com ele.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Brasil tem 500 mil crianças sem a vacina da poliomielite
Pesquisa do Ministério da Saúde mostra que brasileiros estão mais deprimidos
Deixe seu comentário

No Ar: CLUBE DO OUVINTE