Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Voltar Hamas nega envolvimento do Irã em seu ataque a Israel

O grupo terrorista Hamas negou nesta quarta-feira (27) afirmações do Exército ideológico do regime iraniano, segundo as quais seu ataque contra contra Israel em 7 de outubro teria sido em resposta ao assassinato de um general iraniano em um ataque americano em 2020.

Em uma coletiva de imprensa em Teerã, o porta-voz dos Guardiães da Revolução, Ramezan Sharif, afirmou que o sangrento ataque do Hamas foi “uma das operações realizadas para vingar o assassinato do general (Qasem) Soleimani pelos americanos e com o apoio dos sionistas”.

Soleimani, então líder de uma unidade de elite dos Guardiães da Revolução, morreu em uma incursão americana no Iraque em 3 de janeiro de 2020. Em um comunicado que marca um incomum distanciamento de Teerã, porém, o Hamas “negou a veracidade das declarações do porta-voz dos Guardiães da Revolução Islâmica, general Ramezan Sharif, sobre a operação (…) e seus motivos”.

“Já explicamos várias vezes os motivos e as razões da operação (…), destacando em especial as ameaças que pesam sobre a mesquita de Al-Aqsa”, acrescentou o Hamas. Al-Aqsa fica na Esplanada das Mesquitas, que também abriga o Domo da Rocha, no setor palestino ocupado de Cidade Velha de Jerusalém.

O crescente número de visitas de fiéis judeus, que também consideram este lugar como sagrado, é visto como uma “provocação” por palestinos e motiva enfrentamentos frequentes.

O Irã foi um dos primeiros países a celebrar a “orgulhosa operação” do Hamas, grupo apoiado abertamente pelo governo de Teerã há muitos anos, embora suas relações tenham passado por altos e baixos.

Apesar de seu apoio público, em 9 de outubro o Irã negou ter desempenhado um papel ativo na ofensiva do Hamas. “O Irã não intervém na tomada de decisões de outras nações, incluindo a Palestina”, declarou então o porta-voz da diplomacia Naser Kanani.

Ele considerou que “as acusações relacionadas ao papel do Irã” são “baseadas em motivos políticos”.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: