Quinta-feira, 18 de julho de 2024

Quinta-feira, 18 de julho de 2024

Voltar Governo federal quer grupo de inteligência para monitorar redes sociais no combate à violência escolar

O grupo de trabalho criado pelo governo federal para estudar formas de combater a violência em escolas anunciou, nesta quinta-feira (06), que pretende formar uma espécie de força de inteligência para monitorar as redes sociais, evitando crimes como o ocorrido nessa quarta, quando um homem armado com uma machadinha matou quatro crianças em uma creche de Santa Catarina.

No encontro, os ministros discutiram também a criação de um canal de denúncias semelhante ao Disque 100, de direitos humanos, e ao Disque 180, de violência contra a mulher, para tentar evitar ataques. O Ministério da Educação também vai encomendar um mapeamento da violência escolar.

Participaram do encontro, na manhã desta quinta-feira, os ministros Camilo Santana (Educação), Nísia Trindade (Saúde), Silvio Almeida (Direitos Humanos) e Ana Moser (Esporte), além do secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Capelli, e do secretário-geral da Presidência, Márcio Macedo.

De acordo com Santana, o ministro Silvio Almeida também vai adiantar um relatório do trabalho de desradicalização e enfrentamento do ódio, feito pela pasta, com um recorte específico para a Educação. O ministro destacou que o MEC vai repassar dinheiro para estados e municípios para fortalecer as rondas escolares e garantir uma melhoria da segurança dentro e fora das unidades de ensino.

Cronograma semanal

O grupo de trabalho com as equipes dos ministérios envolvidos vai se reunir semanalmente para discutir a estruturação e o andamento das políticas públicas de combate á violência nas escolas, e mensalmente com o ministro.

O Ministério da Cultura vai preparar editais de promoção de cultura de paz nas escolas, a Educação também vai repassar verba para preparar diretores e professores para lidar com a violência no cenário escolar e a Saúde vai fortalecer os atendimentos psicossociais em um programa específico para as redes escolares.

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse que entrou em contato com a Coordenação de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde de Blumenau e que vai levar a pauta da violência nas escolas para o Conselho Nacional de Saúde, na próxima semana. Ela afirmou que a violência é considerada um problema de saúde pública desde a década de 1990.

Violência em ambiente escolar

O governo anunciou o grupo de trabalho, a fim de elaborar uma política nacional de combate à violência em instituições de ensino, após ataques em escolas e creches pelo País.

Nesta quarta-feira (05), um homem de 25 anos matou quatro crianças e feriu outras quatro em uma creche de Blumenau, em Santa Catarina. Para entrar na creche particular, onde os assassinatos foram cometidos, o agressor pulou o muro e atingiu, aparentemente de forma aleatória, a cabeça das crianças com uma machadinha. As vítimas tinham entre 5 e 7 anos de idade.

Em 27 de março, um adolescente, de 13 anos, atacou e feriu com uma faca quatro professores e dois alunos na Escola Estadual Thomazia Montoro, localizada na rua Doutor Adolfo Melo Júnior, na Vila Sônia, zona oeste de São Paulo. Uma das professoras morreu.

Segundo um levantamento da Universidade Estadual de Campinas, o Brasil registrou ao menos 22 ataques de violência extrema em 23 escolas desde 2002. O número é ainda mais alarmante se considerado o recorte mais recente: mais de um terço desses registros (nove) ocorreu desde junho do ano passado.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã