Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Voltar Fundo Monetário Internacional prevê índice de crescimento mais baixo para a economia global desde 1990

O FMI (Fundo Monetário Internacional) espera que o crescimento econômico global caia abaixo de 3% em 2023 e permaneça em torno de 3% nos próximos cinco anos, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, nesta quinta-feira (06).

A previsão de crescimento de médio prazo é a mais baixa desde 1990, e bem abaixo da média de crescimento de 3,8% observada nas últimas duas décadas.

Georgieva disse que ações de política monetária e fiscal fortes e coordenadas para responder à pandemia e à invasão da Ucrânia pela Rússia impediram um resultado muito pior nos últimos anos, mas as perspectivas de crescimento permaneceram fracas no curto e no médio prazo, devido à alta persistente da inflação.

“Apesar da resiliência surpreendente dos mercados de trabalho e dos gastos do consumidor na maioria das economias avançadas, e da melhora da reabertura da China, esperamos que a economia mundial cresça menos de 3% em 2023”, disse ela em comentários preparados para evento antes das reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial na próxima semana.

“Com as crescentes tensões geopolíticas e a inflação ainda alta, uma recuperação robusta continua elusivo. Isso prejudica as perspectivas para todos, especialmente para as pessoas e países mais vulneráveis”, disse ela em um evento organizado pela Meridian House and Politico.

O crescimento caiu quase pela metade para 3,4% em 2022, após o choque da guerra da Rússia na Ucrânia, em relação à recuperação de 6,1% observada em 2021. Ela disse que a Índia e a China representarão metade do crescimento global em 2023, mas cerca de 90% das economias avançadas verão um declínio em sua taxa de crescimento este ano.

Os países de baixa renda, sobrecarregados por custos de empréstimos mais altos e demanda enfraquecida por suas exportações, verão o crescimento da renda per capita ficar abaixo do das economias emergentes, disse ela.

A chefe do FMI pediu aos bancos centrais que mantenham o rumo na luta contra a inflação enquanto as pressões financeiras permanecerem limitadas, mas para enfrentar os riscos à estabilidade financeira quando eles surgirem por meio da provisão adequada de liquidez.

“A chave é monitorar cuidadosamente os riscos em bancos e instituições financeiras não bancárias, bem como as fraquezas em setores como o imobiliário comercial”, acrescentou. “Agora não é hora para complacência.”

Para aumentar as perspectivas de crescimento e produtividade, Georgieva pediu grandes mudanças, incluindo cerca de 1 trilhão de dólares por ano em gastos com energia renovável, e medidas para evitar a fragmentação da economia global, que poderia cortar até 7% do PIB (Produto Interno Bruto) da economia global.

A dissociação tecnológica pode fazer com que alguns países sofram perdas de até 12% do PIB, disse ela.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Madrugada