Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Voltar Funcionalismo federal tem até fevereiro para comprovar despesas de mensalidades com planos de saúde

Servidores públicos federais ativos, aposentados e pensionistas que realizaram a contratação de planos de saúde de forma particular deverão comprovar as despesas com mensalidades do plano até o fim de fevereiro. O aviso foi dado pelo Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos nesta semana.

Segundo o governo federal, servidores que não aderiram aos planos de saúdes com os quais seus respectivos órgãos tenham convênio – decidiram contratar um plano de saúde particular – têm direito a receberem auxílio-financeiro para custeio de plano de saúde. Contudo, o auxílio é dado somente aos meses em que houve o pagamento da mensalidade.

“Servidores que não comprovarem as despesas no tempo hábil terão o pagamento do auxílio suspenso e serão obrigados a devolver os valores relativos aos meses nos quais não foram comprovados os gastos”, informa o governo.

A Associação Nacional dos Servidores Públicos, da Previdência e da Seguridade Social, maior associação de servidores do País, recomenda aos associados que entrem em contato com a unidade de gestão de pessoas do órgão ou entidade no qual estão lotados para obterem mais informações quanto à entrega da documentação.

Mensalidades

O Grupo Executivo de Assistência Patronal (Geap), plano de saúde exclusivo dos servidores públicos federais, estaduais e municipais vai reduzir os preços das mensalidades para o ano de 2024. As mudanças nas cobranças atingirão novos clientes e beneficiários correntes. A informação foi dada pelo diretor-presidente da entidade, Douglas Figueiredo, nesta semana, em podcast dos Correios.

Outros pontos prometidos pelo gestor em relação ao serviço oferecido para o funcionalismo público foi o aprimoramento do atendimento e a redução do prazo de autorização de consultas. Segundo as falas de Figueiredo, a empresa foi muito impactada pela pandemia. Agora, no entanto, a Geap conseguiu reverter a perda de beneficiários nos últimos dez meses e estuda a revisão dos preços aplicados nas cobranças.

O diretor-presidente também comentou que o tempo de pagamento às prestadoras de serviço chegava a 90 dias, enquanto a média do setor é de 70 a 80 dias. Figueiredo anunciou a redução do prazo de pagamento para 40 dias.

“Queremos, com isso, que, quando chegar um beneficiário com a carteirinha da Geap, a sua atendente dê um sorriso, e atenda com a precisão de um bom pagador. Podem cobrar. Eu quero feedback. Se estiver ruim, eu vou cobrar do prestador”, disse.

Hoje, o grupo conta com 300 mil beneficiários – sendo 270 mil federais – e é um dos três principais do mercado de saúde suplementar de órgãos públicos, junto com a Cassi, do Banco do Brasil, e a Postal Saúde, dos Correios.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: