Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Voltar Filipinas se preparam para eleger filho de ex-ditador que pode ampliar recuo democrático

Todas as eleições presidenciais são importantes, mas algumas importam mais do que outras. Este é o caso do pleito das Filipinas nesta segunda-feira (9). Seis anos após eleger Rodrigo Duterte, cuja principal plataforma política consistiu no extermínio extrajudicial de suspeitos de venda e uso de drogas, o país parece prestes a, por ampla margem, consagrar nas urnas Ferdinand Marcos Jr., filho do ditador que, de 1965 a 1986, conduziu com mão de ferro o país do Sudeste Asiático. A filha do atual presidente, Sara Duterte-Carpio, é favorita para ser eleita vice-presidente, em votação separada.

A provável eleição da dupla de aliados vai impor mais tensões à já combalida democracia filipina. Desde 2016, dezenas de milhares de pessoas foram assassinadas por agentes do Estado e forças paraestatais, e o governo prendeu políticos de oposição, perseguiu a imprensa e tentou mudar a Constituição. Para muitos, um novo mandato de líderes deve debilitar ainda mais as instituições, e pode significar um aumento deletério dos abusos.

“Duterte muitas vezes agiu de forma autocrática durante seu mandato. A eleição de Marcos Jr., que tem algumas tendências antidemocráticas, pode soar a sentença de morte para a democracia filipina”, afirmou Joshua Kurlantzick, especialista em Sudeste Asiático do Conselho de Relações Exteriores (CFR), um think tank americano. “Ele pode continuar a reprimir a mídia e os políticos da oposição e contribuir para uma cultura geral de impunidade.”

Marcos Jr., de 64 anos e apelidado de Bongbong, liderou todas as pesquisas durante a campanha por uma confortável margem de cerca de 30 pontos percentuais para o segundo lugar. Fragmentada em dez candidaturas, a oposição tem sua única esperança na atual vice-presidente e única mulher concorrente, Leni Robredo, de centro-esquerda. Nas últimas semanas, seus apoiadores, vestidos de rosa, passaram a fazer campanha de casa em casa, em uma tentativa de ganhar votos, e a candidatura ganhou um pouco de fôlego.

Ainda assim, na pesquisa mais recente divulgada pelo instituto Pulse Asia, Marcos Jr. tem 56% das intenções de voto, contra 23% de Robredo. O ícone mundial do boxe Manny Pacquiao, hoje senador, está em terceiro, com 7% das intenções, e o prefeito da capital Manila, Francisco Domagoso, tem 4% de apoio.

Antidemocracia

Morto em 1989, o pai do candidato favorito comandou atrocidades contra camponeses, manifestantes estudantis, militantes de esquerda, rebeldes comunistas, jornalistas e outros opositores. Segundo a Anistia Internacional, há documentações sobre 70 mil presos políticos, 34 mil torturados e 3.240 assassinatos políticos durante a ditadura. Além destes, até dez mil muçulmanos moro foram mortos em massacres pelo Exército, pela polícia e pelo grupo paramilitar pró-governo cristão Ilaga.

Enquanto violava todo tipo de direito humano, Marcos pai — que governou por mais da metade do tempo sob lei marcial, e contou com apoio do governo americano, que o considerava um aliado contra o comunismo — pilhava as contas filipinas. Uma comissão de investigação criada após o fim da ditadura considera o saqueio da família Marcos e de seus comparsas tão grande que é difícil calcular a soma dos bilhões. A conta mais recente está entre US$ 5 e US$ 10 bilhões, não corrigidos.

Na semana passada, Marcos Jr. disse que considera o seu pai “um gênio político”. Sua família passou décadas tentando reabilitar a própria imagem, estratégia que finalmente teve êxito com o advento das mídias sociais, em um país onde mais de 99% da população de 110 milhões está conectada à internet. Segundo o Grupo de Pesquisa sobre o Regime Marcos, ligado à Universidade das Filipinas, a nostalgia da ditadura ganhou força há mais de 10 anos, e se baseia em um “dilúvio de narrativas baseadas em mentiras pró-Marcos que colonizaram as mídias sociais”.

A mensagem principal consiste em exaltar uma suposta estabilidade e prosperidade do período ditatorial, ignorando as violações aos direitos humanos, a corrupção e o endividamento do país.

Segundo Richard Heydarian, professor de geopolítica na Universidade Politécnica das Filipinas, Marcos Jr. representa uma forma de “populismo nostálgico”. “O TikTok permite que candidatos como Marcos Jr. atraiam diretamente a geração mais jovem por meio de vídeos cuidadosamente selecionados, que colocam o espetáculo acima da substância”, disse.

Marcos Jr. quase não abordou políticas públicas durante a campanha, e se recusou a participar de debates e conceder entrevistas. O candidato não apresentou uma plataforma, em vez disso propagando uma mensagem vaga sobre “unidade”. Um porta-voz da campanha afirmou nesta semana: “Marcos será o presidente dos filipinos, independentemente de sua cor política, raça ou credo.”

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Com 10 mortes por covid registradas em 24 horas, Brasil tem média móvel de 89 óbitos por dia
De volta à Câmara dos Deputados, ex-ministros trocam sessões e votações por agendas de pré-campanha
Deixe seu comentário

No Ar: Caiçara Confidencial