Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Voltar Ethiopian Airlines suspende pilotos que dormiram e esqueceram de pousar em aeroporto na Etiópia

Os dois pilotos que operavam um Boeing 737 da Ethiopian Airlines foram suspensos após perderem um pouso no aeroporto de Adis Abeba, na Etiópia, disse a companhia aérea.

No comunicado, a Ethiopian Airlines não mencionou o motivo da suspensão, dizendo apenas que eles estavam sendo investigados. Segundo um site especializado em aviação, os dois pilots estavam dormindo e passaram o aeroporto a uma altura de 11 mil metros.

Conforme informações do site Aviation Herald, especializado em aviação, o voo ET-343, que vinha do Sudão com destino à Etiópia, estava com o pouso autorizado e em aproximação da pista de pouso. Mas o avião não desceu.

A torre de controle tentou sem sucesso entrar em contato com os pilotos. Após passar o aeroporto, um alarme de desconexão do piloto automático teria sido o que fez a tripulação acordar. Após fazer o retorno, os pilotos pousaram o avião sem maiores problemas.

Dados Automatic Dependent Surveillance-Broadcast (ADS-B) mostram a aeronave sobrevoando a pista, antes de iniciar sua descida e manobra para outra aproximação.

Fadiga

O analista de aviação Alex Macheras foi ao Twitter para expressar seu choque com o “incidente profundamente preocupante”, que ele sugere que pode ter sido o resultado da exaustão do piloto.

“O cansaço do piloto não é novidade e continua a representar uma das ameaças mais significativas à segurança aérea — internacionalmente”, tuitou.

O caso desta semana acontece poucos meses depois que pilotos da Southwest Airlines e da Delta Air Lines alertaram executivos das companhias aéreas sobre o aumento da exaustão de pilotos e recomendaram tratar a fadiga e os erros resultantes como um risco de segurança.

“A fadiga, tanto aguda quanto cumulativa, tornou-se a principal ameaça à segurança da Southwest Airlines”, disse a Southwest Airlines Pilots Association, ou SWAPA, a executivos de companhias aéreas em uma carta em abril.

De acordo com o documento, a crescente demanda por viagens aéreas à medida que o setor começa a se recuperar da pandemia de Covid-19 e o caos de cancelamento causado pelo clima severo estão entre os motivos do aumento da exaustão dos pilotos.

Em maio, o jornal italiano Repubblica informou que um piloto da ITA havia sido demitido depois de “adormecer” durante um voo entre Nova York e Roma.

O copiloto estaria fazendo um “descanso autorizado” no momento, levando o Airbus A330 a perder a comunicação com o controle de tráfego aéreo por dez minutos, segundo o relatório.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde