Domingo, 03 de julho de 2022

Domingo, 03 de julho de 2022

Voltar Dúvidas e suspeitas: hepatite misteriosa instiga investigação mundial

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que o número de mortes pela hepatite aguda de origem desconhecida em crianças subiu de um para seis, de acordo com dados atualizados no último dia 15 e compartilhados nesta semana. Os casos também aumentaram de 348, na semana passada, para 429. De acordo com a entidade, 22 países registraram a doença misteriosa e há 40 casos em investigação.

Segundo Philippa Easterbrook, médica do programa global de HIV e hepatites da OMS, 26 crianças precisaram de transplante de fígado. Em levantamento do dia 25 de abril, a entidade tinha detectado 17 episódios que precisaram fazer o procedimento. Ela informou que 75% das crianças que manifestaram a doença têm menos de 5 anos e que a maioria dos casos está concentrada em países europeus. Dos 12 países que tiveram mais de cinco notificações, nove estão no continente.

A suspeita permanece de que os casos têm relação com o subtipo 41 do adenovírus, que causa gastroenterite (inflamação gastrointestinal), mas as investigações sobre a ligação desta infecção com a Covid-19 foram intensificadas.

“Estamos observando como essas infecções podem trabalhar juntas como um cofator para realçar a suscetibilidade ou criar uma resposta anormal. Talvez, essa resposta tenha persistido e estacionado nos intestinos e uma infecção por adenovírus resultou na ativação do sistema imunológico, causando a inflamação.”

Philippa disse que a hipótese baseada em um estudo com crianças e, por isso, destacou a importância de entender os mecanismos sobre infecções prévias neste público.

Ela afirmou que a OMS está auxiliando os países com orientações sobre testes que precisam ser realizados nos pacientes, captura de dados clínicos e recomendações para o atendimento das crianças.

Os primeiros registros da hepatite fulminante em crianças foram feitos em países europeus e se concentravam principalmente no Reino Unido. No Brasil, o Ministério da Saúde investiga 47 casos suspeitos, mas nenhum registro foi confirmado.

A hepatite é uma inflamação que atinge o fígado e, na maioria dos episódios, é causada por vírus, mas pode ter relação com o uso de substâncias tóxicas, incluindo medicamentos, consumo de álcool, doenças hereditárias e distúrbios autoimunes. Os principais sintomas são icterícia (cor amarelada na pele ou nos olhos), diarreia, dor abdominal e vômito. Nas crianças afetadas, testes laboratoriais descartaram os tipos A, B, C, E e D (quando aplicável).

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Pegar covid duas ou mais vezes ao ano pode se tornar comum
Infecção pela ômicron não dá imunidade contra outras variantes em pessoas não vacinadas
Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã