Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Voltar Crianças ucranianas que vieram ao Brasil tentam recompor suas vidas

Quando Galyna deixou Donetsk com seus três filhos não imaginou que hoje estaria no Brasil, vendo as crianças frequentarem um colégio no interior de São Paulo. Mas a família foi clara ao optar pelo destino: “O mais longe da guerra”.

Com outros 44 ucranianos – crianças, adolescentes e mulheres –, eles chegaram ao País por meio de uma parceria da Igreja da Cidade de São José dos Campos e receberão auxílio por um ano. “Continuo dando aulas para meus alunos em Donetsk. É o mínimo que posso fazer para tentar mantê-los com certa normalidade”, disse Galyna, falando em russo.

Seus filhos, Ivan, de 11 anos, Mykailo, de 12, e Ksenia, de 16, conversam com os amigos e tentam entender o básico da comunicação em português enquanto assistem a aulas em um salão da igreja. A cada cor que os alunos acertam no nosso idioma, eles comemoram.

“A gente gosta muito do Brasil, da escola, dos professores e dos amigos. Amamos a atenção que os colegas nos dão. Claro que é difícil, porque não sabemos o português, mas estamos estudando e logo ficará melhor”, conta Anastasia Shevchenko, de 15 anos, que chegou com o irmão Illia, de 11 anos, e a mãe, Iryna, de 46. A família saiu de Kharkiv e deixou muitos parentes para trás.

A cada segundo dos dois meses da guerra, ao menos uma criança precisou deixar sua casa. Até o dia 1º de maio, 2,7 milhões de crianças ucranianas haviam fugido e 2,8 milhões estavam deslocadas internamente. “Mais de 4,5 milhões de crianças tiveram de fugir desde que a guerra começou”, disse James Helder, porta-voz da Unicef na Ucrânia.

Iryna vivia com o marido e os filhos em um prédio com apenas uma entrada e saída. Quando os ataques se intensificaram, Illia chorava todo dia e eles se mudaram para a casa da sogra dela. De lá, o marido decidiu que eles precisavam partir.

A maior parte dos refugiados vai para países vizinhos, mas muitos continuam se movendo. Até 18 de março, o Brasil tinha recebido 894 ucranianos, segundo a Polícia Federal. O País concedeu 74 vistos e 27 autorizações de residência humanitária entre 3 e 31 de março.

As dez crianças que estão em São José dos Campos vieram sem os pais. Algumas mantiveram o contato com eles pela internet. “Uma família recebeu a notícia da morte do pai quando já estava aqui, foi muito triste”, contou a ministra da igreja, Carmen Rangel.

Uma lei na Ucrânia proíbe que homens em idade de combate saiam do país. Por isso, 90% dos refugiados são mulheres e crianças. “A maioria teve de deixar os pais na Ucrânia. Então, o trauma é forte. O mundo delas virou de cabeça para baixo”, afirma Helder.

Muitos aviões

As aulas de português foram o início da adaptação. As crianças e adolescentes caminham entrosados, conversando e rindo, enquanto a aula não começa. As lições são vistas como a porta de entrada de uma nova vida. “Lá (na Ucrânia) eu chegava para a aula, sentava e escrevia. Aqui, posso levantar, ir ao banheiro, comer no intervalo. Estou gostando”, afirma Anastasia.

Mas o medo da guerra acompanha a todos, mesmo a distância. “Aqui passam muitos aviões. Um dia, quando um passou e fez um barulho, um menino começou a chorar, com medo de que fosse uma bomba”, conta Carmen.

O caminho para chegar ao Brasil foi árduo e ainda é um assunto tabu. “A maior necessidade das crianças ainda é a segurança. Centenas foram mortas. Não pensamos em quanta dor esses pais e avós vão carregar para sempre”, diz Helder.

Até 12 de abril, 148 crianças foram mortas e 233 feridas na guerra. A Unicef diz que 3 milhões precisam de ajuda humanitária e 3,6 milhões de apoio educacional ou emocional.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Saiba como se inscrever e pagar o INSS como autônomo
Juros altos: conheça três grandes efeitos dos aumentos das taxas no Brasil e no mundo
Deixe seu comentário

No Ar: SHOW DA TARDE