Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Voltar Cortes de juros podem gerar economia de até R$ 100 bilhões nos gastos do governo federal

O ciclo de corte da taxa Selic iniciado nesta semana pelo Banco Central vai gerar uma economia nos gastos com juros da dívida pública e possibilitar um crescimento menor da mesma.

Isso acontecerá porque mais de 40% da dívida brasileira em títulos públicos, que somou R$ 6,19 trilhões em junho deste ano, está atrelada aos juros básicos da economia.

Com isso, quando os juros caem, ao mesmo tempo também recua a despesa com juros projetada para os próximos meses. Além do impacto direto, as novas emissões de títulos prefixados (cujos juros são definidos no momento do leilão) também ficarão mais baratas.

De acordo com o economista Gabriel Leal de Barros, da Ryo Asset, a economia com o pagamento de juros da dívida será de R$ 80 bilhões em 2024. Esse valor embute a redução já feita de 0,5 ponto percentual nesta semana, para 13,25% ao ano, além da projeção do mercado de que a Selic irá recuar para 11,75% ao ano no fim de 2023 (com base em indicações do próprio Banco Central).

“A importância [do corte de juros para as contas públicas] é grande pelo contágio da Selic para os demais indexadores da dívida. Cerca de 47% da dívida é Selicada [indexada ao juro básico da economia], é uma parcela substancial, o efeito é bastante relevante e imediato”, avaliou Barros.

Para o economista-chefe do banco Master, Paulo Gala, considerando o corte de dois pontos percentuais nos juros neste ano, projetado pelo mercado, a economia seria justamente de R$ 80 bilhões em 2024.

Se o cálculo incluir uma queda maior, para até 9% ao ano na Selic, projetada para ocorrer no decorrer do próximo ano, o valor da economia aumentará para R$ 100 bilhões no ano que vem, estimou o analista.

“A dívida pública vai crescer a uma taxa menor [com a despesa mais baixa com juros]. Isso também ajuda muito. O déficit primário [nas contas do governo] esperado para o ano que vem é de R$ 100 bilhões. Daria praticamente o déficit esperado para o próximo ano”, declarou o economista.

Em junho, o secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, calculou que, se a taxa básica de juros estivesse em 10% ao ano, em vez dos 13,75% ao ano que vigoravam naquele momento, a economia nos gastos com juros da dívida pública permitiria o pagamento anual de quase um Bolsa Família. O orçamento do Bolsa Família é de cerca de R$ 170 bilhões por ano.

“Não estou dizendo que deveria ser esse valor [para a taxa Selic, fixada pelo Banco Central para tentar conter as pressões inflacionárias], mas, se ela fosse, ao invés de 13,75% [ao ano], fosse 10% [ao ano] a Selic atualmente, você teria quase um Bolsa Família por ano economizado em termos de juros que estão sendo pagos na dívida pública”, afirmou ele, naquele momento.

Tamanho da dívida

Em junho, a dívida bruta do setor público somou 73,6% do PIB (Produto Interno Bruto), o equivalente a R$ 7,59 trilhões. Na comparação com o final do ano passado, quando estava em R$ 7,22 trilhões, ou 72,9% do PIB, houve uma alta de 0,7 ponto percentual.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã