Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Voltar Coronel Cid depôs por mais de 7 horas à Polícia Federal

O depoimento do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, coronel Mauro Cid, à Polícia Federal (PF), nessa quinta-feira (31), durou mais de sete horas. A colaboração de Mauro Cid avançou depois dos interrogatórios. Ele e o pai foram confrontados e questionados sobre informações extraídas dos celulares do próprio general e do advogado Frederick Wassef. Além de outros indícios colhidos na investigação e apresentados – especialmente – ao ex-ajudante de ordens.

Osmar Crivelatti, assessor de Bolsonaro, ficou até a noite dessa quinta prestando depoimento à PF. Ele não ficou em silencio e respondeu às perguntas feitas pelos investigadores. Crivelatti foi um dos alvos da operação da PF no começo de agosto. Ele é ex-assessor de Bolsonaro e trabalhava na presidência da República junto com Mauro Cid.

Joias

O escândalo das joias sauditas levou o ex-presidente da República, Jair Bolsonaro, a ex-primeira-dama Michelle e integrantes do núcleo mais próximo da gestão Bolsonaro à Polícia Federal.

A PF tenta esclarecer o suposto esquema de desvio de joias luxuosas recebidas em viagens ao exterior – e que fazem parte do patrimônio da União. Os depoimentos aconteceram em salas separadas e celulares foram proibidos.

Os investigadores já têm em mãos mais detalhes das negociações ilegais e agora se aprofundam nos destinatários do dinheiro obtido com a venda das joias.

Segundo fontes, o inquérito reúne ainda mais informações e provas robustas sobre o envolvimento dos investigados nas negociações e sobre o caminho do dinheiro dentro e fora do Brasil. A investigação empareda o ex-presidente Bolsonaro, segundo as mesmas fontes.

Com autorização judicial, novas diligências estão sendo feitas – tudo sob o mais absoluto sigilo para não comprometer a etapa final das investigações. Etapa esta que envolve cooperação internacional de autoridades americanas.

Depoimentos

A Polícia Federal ouviu nessa quinta oito pessoas no caso das joias recebidas pelo governo Bolsonaro em viagens ao exterior. O ex-presidente Jair Bolsonaro, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro e mais seis pessoas próximas ao casal foram intimados.

No caso de Bolsonaro e Michelle, o núcleo de advogados do casal traçou algumas estratégias. Ambos se mantiveram em silêncio ao depor.

Os investigadores apuram as circunstâncias de um esquema de venda ilegal de joias recebidas em viagens ao exterior. A expectativa ao ouvir todos ao mesmo tempo era evitar que os depoentes tivessem acesso antecipado às perguntas e que combinassem as respostas.

Entre os depoentes estão o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid (filho) e o seu pai, Mauro Cid. Por volta das 11h, todos os intimados já havia chegado às sedes da PF em Brasília e em São Paulo. São eles:

* Jair Bolsonaro: ex-presidente;
* Michelle Bolsonaro: ex-primeira-dama;
* Mauro Barbosa Cid: ex-ajudante de ordens de Bolsonaro;
* Mauro Lourena Cid: pai de Cid, general da reserva que foi colega de Bolsonaro na Aman;
* Frederick Wassef: advogado de Bolsonaro;
* Fabio Wajngarten: ex-chefe da comunicação do governo Bolsonaro;
* Marcelo Câmara: assessor especial de Bolsonaro;
* Osmar Crivelatti: assessor de Bolsonaro.

A maior parte dos depoimentos durou menos de uma hora porque os investigados decidiram não responder os questionamentos.

Ficaram em silêncio: Bolsonaro, Michelle, Wajngarten e Câmara. Em nota, as defesas dos quatro disseram que tomaram essa decisão por julgarem que o Supremo Tribunal Federal (STF) não é a instância adequada para a investigação.

O ministro do STF Alexandre de Moraes “puxou” o caso para a Corte por identificar que os militares e aliados de Bolsonaro envolvidos no caso eram os mesmos citados em outros inquéritos no Supremo – como o das fake news e o das milícias digitais.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Madrugada