Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Voltar Condomínio popular na área central de Porto Alegre é alvo de operação contra o tráfico de drogas

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta quarta-feira (5), uma operação para combater o tráfico de drogas e o crime organizado em Porto Alegre. Com o auxílio de um helicóptero, cerca de 100 policiais civis cumpriram dez mandados de busca e apreensão na Capital, cinco deles no Condomínio Princesa Isabel, no bairro Santana.

Construído pela prefeitura na área central da cidade para abrigar famílias oriundas da Vila Cabo Rocha, no bairro Azenha, o condomínio, conhecido como Carandiru, é dominado por traficantes. No local, os policiais apreenderam quatro armas, drogas e munições. Um criminoso foi preso.

Segundo o delegado Gabriel Borges, as investigações sobre uma organização criminosa com base no condomínio iniciaram em 2019. “Essa organização criminosa estabeleceu-se no condomínio popular, o qual possui estrutura nos moldes de fortaleza, dificultando fiscalização e ações de combate ao narcotráfico. As práticas ilícitas ali desempenhadas pela organização criminosa dominante dividem espaço com crianças e adolescentes que ali moram, criando-se um ciclo de aliciamento para ingresso no crime como novos soldados do tráfico”, informou o delegado.

Conforme a Polícia Civil, ao longo das investigações, aproximadamente 400 quilos de drogas foram apreendidos, além de 15 armas de fogo e 16 pessoas presas. “Cerca de R$ 400 mil em espécie, bem como quatro automóveis, sendo que um está sendo empregado no combate ao narcotráfico após autorização judicial, também foram apreendidos durante este período”, prosseguiu a corporação.

Conforme o diretor de Investigações do Denarc (Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico), delegado Alencar Carraro, o responsável pela movimentação do tráfico de drogas na antiga Vila Cabo Rocha era um indivíduo que, apesar de nunca ter se mudado para o condomínio, teve amigos e familiares que lá se instalaram, fazendo com que o local se tornasse sua principal área de atuação.

Após a sua morte, em um atentado realizado por uma facção criminosa rival, a liderança do tráfico de drogas no condomínio e demais áreas de atuação dessa célula da organização criminosa passou a ser dividida entre duas famílias. Segundo o que foi apurado, as lideranças alternam o controle e lucratividade do tráfico de maneira pacífica, realizando rodízio semanal de comando.

“Nos últimos meses, em face da guerra instaurada entre facções criminosas atuantes em Porto Alegre, o condomínio tem sido palco de guerra aberta, na qual, inclusive, com emprego de armamentos típicos de guerra”, disse o delegado Carraro.

Também foi constatada a utilização de documentos falsos em nome de membros do serviço público com o objetivo de alugar imóveis em Porto Alegre para servirem como depósito de drogas e armas a serem destinadas ao condomínio.

Armas e drogas foram apreendidas. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

 

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Madrugada