Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Quinta-feira, 30 de maio de 2024

Voltar Com queda nos juros, é hora de voltar a investir em ações na Bolsa? Analistas respondem

O início do ciclo de corte da taxa Selic (básica de juros) – que caiu para 13,5% – reacende a atratividade da renda variável, particularmente os investimentos em Bolsa. Com perspectiva que a taxa de juros chegue a 12% no fim do ano, analistas dizem que há uma janela de oportunidade para o investimento em ações.

Apesar de o Ibovespa, principal índice da Bolsa de São Paulo, a B3, já ter se valorizado em mais de 10% desde janeiro, o índice pode subir ainda mais. De acordo com um estudo da XP que analisou o desempenho de ações nos últimos 20 anos, a Bolsa tem, em média, valorização de 9,2% nos três meses após o primeiro corte de juros. Nos seis meses seguintes, a alta média é de 26,6%.

“A hora de investir em ações é agora, enquanto o mercado ainda está em 120 mil pontos. Todas as vezes que houve queda da Selic, a Bolsa andou mais do que na expectativa. Se o mercado já teve essa melhora, com a efetivação da queda de juros deve andar ainda mais. O investidor tem que aproveitar que muitas ações ainda estão descontadas (valendo menos do que deveriam)”, aconselha Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos.

Segundo ele, a queda dos juros pode beneficiar empresas que estão alavancadas, ou seja, que recorreram a empréstimos para crescer, já que elas poderão pagar suas dívidas com juros menores. Além disso, Moliterno afirma que, com a Selic mais baixa, empresários podem ter maior interesse em resgatar recursos aplicados para fazer investimentos nas próprias companhias.

Varejistas e construtoras

Gabriel Mota, operador de renda variável da Manchester Investimentos, destaca que as small caps (empresas negociadas na Bolsa que possuem menor valor de mercado) tendem a ter ganhos maiores que outras ações na Bolsa daqui em diante, por terem, usualmente, estrutura de capital apertada e necessitarem de recursos para financiar o crescimento.

Empresas ligadas ao consumo doméstico, como varejistas e shoppings, também devem levar vantagem. O raciocínio é que os consumidores terão mais renda disponível para consumir itens não essenciais e, com acesso a crédito mais barato, podem voltar a comprar roupas, eletrodomésticos, eletroportáteis e até a comer mais fast-food.

Lucas Lima, analista da VG Research, aposta em valorizações que vão da marca de shoppings Iguatemi até o Burger King.

Ivan Barboza, sócio-gestor do Ártica Asset Management, concorda. Para ele, Magalu e Renner são exemplos de empresas de boa qualidade que estão abaixo dos múltiplos históricos. Ainda avalia que papéis do setor imobiliário podem ser interessantes no momento:

“Os lançamentos de imóveis dependem muito da taxa de financiamento imobiliário. A partir do momento que se tornam disponíveis financiamentos mais baratos, Cyrela e Eztec podem ganhar destaque.”

Outro setor que tende a obter ganhos com o ciclo de corte de juros é o de locação de veículos.

“Por ser uma indústria intensiva em capital, uma menor taxa de juros melhora a relação de ROIC (retorno sobre o capital investido) versus o custo da dívida dessas companhias”, aponta Lucas Lima, da VG Research.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show da Tarde