Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Quinta-feira, 19 de maio de 2022

Voltar Bitcoin cai à menor cotação em dez meses, em meio à queda nas Bolsas globais

O Bitcoin, a moeda digital mais conhecida, atingiu seu menor patamar desde julho de 2021 nesta segunda-feira (9), com a queda dos mercados de ações continuando a prejudicar as criptomoedas, consideradas ativos de risco, assim os papéis de tecnologia.

A cotação do Bitcoin caiu para US$ 32.763 pouco antes das 8h, no horário de Brasília, em sua quinta sessão consecutiva de queda. Por volta das 22h, a moeda era negociada a US$ 30.616, uma queda de mais de 10%.

Só este mês, a criptomoeda caiu 18,6%, perdendo mais da metade de seu valor desde que atingiu o patamar recorde de US$ 69 mil, em novembro do ano passado.

“Acho que tudo dentro da criptomoeda ainda é classificado como um ativo de risco e, semelhante ao que vimos com a (Bolsa eletrônica) Nasdaq, a maioria das criptomoedas está sendo atacada”, disse Matt Dibb, diretor de Operações da plataforma de criptomoedas Stack Funds, com sede em Cingapura.

A Nasdaq caiu 1,5% na semana passada e perde 22% no acumulado do ano, prejudicada pela perspectiva de inflação persistente, que vem forçando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) a aumentar os juros. Nesta segunda-feira, a Nasdaq desaba mais de 4%.

“Devido ao temor de aumento da inflação, a maior parte dos investidores adotou um enfoque de aversão ao risco”, disse à agência Bloomberg Darshan Bathija, diretor-executivo da bolsa de criptomoedas Vauld.

Dibb citou ainda a habitual baixa liquidez do mercado de criptomoedas nos fins de semana, além do temor de que a stablecoin algorítmica chamada Terra USD (UST) possa perder sua atrelagem ao dólar.

Stablecoins são tokens digitais atrelados a outros ativos tradicionais, geralmente o dólar americano.

A UST é observada de perto pela comunidade cripto, tanto por manter indexação de 1:1 em relação ao dólar, quanto porque seus fundadores estabeleceram planos para construir uma reserva de US$ 10 bilhões em Bitcoins para apoiar a stablecoin. Ou seja, a volatilidade na UST tem o potencial de se espalhar para o mercado de Bitcoins.

O Ether, a segunda maior criptomoeda do mundo, ligada à rede Ethereum, caiu para US$ 2.360 na segunda-feira, o menor nível desde o final de fevereiro.

Esquema de fraude

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos denunciou um brasileiro suspeito de orquestrar um esquema global de fraude de investimento que movimentou US$ 62 milhões (equivalente a R$ 314 milhões). Luiz Capuci Júnior, de 44 anos, é acusado de vendas fraudulentas de pacotes de mineração de criptomoedas para milhares de pessoas.

Capuci é CEO da Mining Capital Coin (MCC). De acordo com a acusação, a empresa enganou os investidores sobre o programa de mineração que traria retorno financeiro em criptomoedas.

Os procuradores americanos afirmam que a MCC vendia “pacotes de mineração” e garantia que os investidores iriam obter lucros substanciais. O dinheiro aplicado seria usado para minerar novas criptomoedas.

Em vez de usar o dinheiro na mineração, Capuci teria desviado os valores aplicados pelos clientes para carteiras de criptomoedas sob seu controle.

“As fraudes baseadas em criptomoedas prejudicam os mercados financeiros em todo o mundo, pois os maus atores enganam os investidores e limitam a capacidade de empreendedores legítimos de inovar neste espaço emergente”, disse o procurador-geral assistente Kenneth A. Polite Jr., da Divisão Criminal do Departamento de Justiça.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Bradesco aumenta projeção de crescimento do PIB do Brasil para 1,5% este ano, mas vê inflação mais alta
Ministros do Tribunal Superior do Trabalho convidam Bolsonaro para cerimônia de posse no fim do mês
Deixe seu comentário

No Ar: SHOW DA TARDE