Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Voltar Após troca na presidência, Bradesco passa por novas mudanças na diretoria

A diretoria do Bradesco está passando por um final de ano agitado: após a substituição do CEO Octavio de Lazari Jr. e a saída de executivos na semana passada, novos pedidos de demissão foram feitos nesta semana. A informação foi confirmada pelo banco.

Mais dois diretores-executivos do Bradesco pediram demissão: Marlos de Souza Araujo, responsável por gestão de risco, e Klayton Tomaz dos Santos, de organização, produtos e serviço.

Ambas as demissões foram justificadas por “motivos pessoais e novos desafios”, segundo fonte próxima do assunto falou ao jornal Valor Econômico.

O desligamento do diretor departamental de patrimônio, Adelmo Perez, e do diretor do banco de atacado, Alan Marinovic, também foi noticiado, sob a mesma alegação de motivos pessoais.

A assessoria do Bradesco confirmou a informação.

Nas últimas duas semanas, a alta diretoria do Bradesco está passando por grandes alterações.

No dia 23 de novembro, foi anunciada a troca de CEO, trocando Octavio de Lazari Jr por Marcelo Noronha. Lazari Jr, que atuou no cargo pelos últimos seis anos, foi convidado a se juntar ao Conselho de Administração, informou o banco em nota.

Além disso, também em 27 de novembro, Walkiria Marchetti, diretora-executiva de infraestrutura de TI e governança de TI, adiantou sua aposentadoria, abandonando o cargo.

Marchetti integrava o corpo do Bradesco desde 1981. Além disso, permaneceu como a única mulher na diretoria-executiva da instituição desde agosto quando Glaucimar Peticov, de recursos humanos e outras funções, pediu demissão. No conselho de administração do Bradesco ainda permanecem duas mulheres: Denise Aguiar e Denise Pavarina.

Seguida da troca de CEO do banco, Eurico Fabri, vice-presidente de atacado do banco, também renunciou ao cargo alegando questões pessoais.

Os pedido de demissões do Bradesco parecem estar acontecendo antes do período normal: historicamente o Bradesco costuma fazer uma movimentação em cargos de elevados da diretoria a cada início de ano.

Bradesco Asset

A Bradesco Asset iniciou nessa quarta-feira (6) a negociação de seu primeiro Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro). A expectativa da gestora era captar R$ 320 milhões, mas foram levantados R$ 193 milhões.

Uma das razões apontadas foi a grande disponibilidade de ofertas realizadas na mesma janela de captação. Além disso, a opção pela modalidade de um Fundo de Investimento de Direitos Creditórios (FDIC) acabou tornando o Fiagro menos óbvio, em comparação aos já disponíveis no mercado – enquadrados, em sua maioria, como FII.

“Para atuar no agronegócio, buscamos diversificação e um duration [prazo de liquidação das operações] mais curto. Em operações mais longas, você acaba ficando mais exposto aos riscos da safra”, disse Eduardo Junqueira, gerente da área de crédito estruturado da Bradesco Asset.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

Deixe seu comentário

No Ar: Show Da Manhã